ter?a-feira, 27 de outubro de 2020
Direito

ACUSADO DE CORRUPÇÃO CARDEAL DA ALTA CÚPULA DA IGREJA RENUNCIA

Com informações do Corriere della Seta
Tasso Franco , da redação em Salvador | 26/09/2020 às 10:55
Cardeal Giovanni Angelo Becciu, uma das figuras de maior importância dentro do Vaticano
Foto:
O nome é bonito: Casina del giardiniere. E o edifício parece uma pequena joia de tijolo vermelho com uma torre, situada entre grandes querubins de mármore branco e vista de cima por uma estátua negra de São Pedro, em uma pequena bacia dos Jardins do Vaticano. Mas para quebrar a imagem vagamente bucólica é uma guarita de vidro e alumínio, onde uma sentinela se alterna com outros guardas 24 horas por dia: existe o medo de que alguém entre furtivamente no chalé. As idas e vindas de técnicos e especialistas em informática contam meses de investigações muito delicadas: estão analisando e decifrando os computadores apreendidos nos escritórios do Vaticano, em busca de mistérios indizíveis sobre as complicações financeiras de alguns excelentes representantes da Santa Sé.

É neste cenário sombrio, cheio de suspeitas e mistérios, que se realiza a defenestração traumática do cardeal Giovanni Angelo Becciu. Seria a história do dinheiro de São Pedro desviado para uma cooperativa da Caritas administrada na Sardenha, sua região, por um dos irmãos: um comportamento que levou a uma denúncia de peculato e que provocou raiva do Papa Francisco.

Jorge Mario Bergoglio o "degradou" a amém, removendo seu cardinalato e barrando as portas de um futuro conclave. Frase padrão, irrecorrível: "Já não tens a minha confiança", embora pronunciada com um toque de dor. E pensar que o pontífice o havia promovido há dois anos, depois de tê-lo mantido até 2018 como secretário de Estado substituto, uma espécie de "ministro do Interior".

Na verdade, ele o apoiou até nas passagens mais complexas dos últimos anos. Quando, no verão de 2017, a carreira de George Pell, cardeal australiano, "czar da economia" e oponente de muitos, incluindo Becciu, foi rompida, Francisco apareceu chocado e renunciou. Diante das acusações de pedofilia contra Pell e do julgamento a que teve de se submeter na Austrália, apesar de perplexo, "despediu" um dos homens em quem apostou para sanear as finanças da Santa Sé. E quando, alguns meses depois, o supervisor geral Libero Milone, braço operacional de Pell, disse que renunciou por ter sido ameaçado de prisão, apontando o dedo para a Gendarmaria e Becciu, o Papa se aliou a este último.

Mas Pell finalmente saiu ileso e reabilitado dos procedimentos legais. Em seu julgamento via crucis, a sombra de uma manobra obscura conseguida "com armas australianas e munições do Vaticano" se estendeu, segundo um amigo intelectual do Papa e do próprio Pell. E na próxima semana o ex-plenipotenciário retornará a Roma de sua Austrália depois de mais de três anos de ausência, sem seu posto: assim como Becciu é forçado a se defender não apenas de acusações embaraçosas, mas de uma reação papal que nos círculos do Vaticano tem deixou todo mundo atordoado; e depois do chefe da Gendarmaria, Domenico Giani, muito próximo do cardeal italiano, foi induzido a renunciar em 14 de outubro de 2019, por motivos oficiais que não convenceram a todos.