quarta-feira, 01 de abril de 2020
Direito

PLATAFORMA DO VOLUNTARIADO ATENDE MAIS DE 150 CRIANÇAS EM SSA

“A plataforma de voluntariado veio como um presente”, diz idealizadora de projeto
Tasso Franco , da redação em Salvador | 11/03/2020 às 16:52
Voluntariado se expande na cidade do Salvador
Foto: SAEB



A atuação voluntária é uma forma de fazer a diferença na vida de alguém. É um exercício de amor ao próximo que estimula o bem-estar social e leva alegria aos corações tanto dos voluntários como das pessoas beneficiadas. Com mais de 20 anos desempenhando ações pedagógicas e sociais para crianças de seis meses a 12 anos de idade, a Escola Criança Esperança de Santo Inácio, no bairro Jardim Santo Inácio, em Salvador, é um dos projetos cadastrados na plataforma on-line Bahia.Estado Voluntário.

Lançado em 24 de setembro de 2019 e desenvolvido conjuntamente pela Secretaria da Administração (Saeb) e pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), o Programa Bahia.Estado Voluntário, criado com o objetivo de ampliar a rede de voluntariado e fortalecer a solidariedade coletiva, tem mais de 1.400 voluntários, 78 projetos e ações, 20 campanhas e cerca de 2.340 oportunidades de voluntariado para cadastro.

Um abraço à causa dos mais necessitados

A idealizadora da Escola Criança Esperança de Santo Inácio, Elisabete Pereira, é formada em pedagogia e há 22 anos desenvolve o trabalho voluntário na comunidade em que vive. O trabalho social e pedagógico desenvolvido pela instituição beneficia mais de 150 crianças do bairro e de regiões adjacentes, funcionando de segunda a sexta-feira, nos turnos matutino e vespertino.

Elisabete iniciou o projeto da escola comunitária por sua conta e risco. Sensibilizada com a situação de vulnerabilidade social de muitas crianças da sua comunidade, a professora entrou em acordo com o seu marido e utilizou sua casa como espaço de apoio às mães e acolhimento às crianças. 

Mesmo com dificuldades em seu caminho, Elisabete não desistiu dos seus sonhos e, mesmo após um período sem apoio, continuou sua caminhada. E, nos anos seguintes, conseguiu realizar todos os trâmites judiciais e dar prosseguimento ao seu belo projeto social.

Para ela, a plataforma on-line é uma forma de unir projetos e voluntários. A instituição atua com voluntários cadastrados no programa Bahia.Estado Voluntário e, desde o cadastro da escola na plataforma, conseguiu mais doadores e realizações em suas campanhas sociais. “O cadastro na plataforma de voluntariado veio como um presente! Sejam voluntários, venham fazer parte dessa família! Existem muitas pessoas que querem ajudar ao próximo e desenvolver esse lindo trabalho social, não tem dinheiro no mundo que pague isso”, ressaltou. 

A pedagoga explicou que conseguiu impulsionar uma ação social no Natal do ano passado, graças ao intermédio e divulgação através do Portal de Voluntariado. “Foi uma benção, porque realizamos o projeto ‘Garrafinha dos Sonhos'. Os voluntários se envolveram na campanha e conseguimos presentear as nossas crianças, todas as cartinhas foram contempladas. Esse ano, iremos iniciar outra campanha para ampliação do nosso espaço, com o intuito de atender ainda mais crianças”, exclamou. 

Voluntariado também é aprendizado

Aos 17 anos, Lucas Martins é estudante e atua como voluntário, na Escola Criança Esperança de Santo Inácio. O jovem doa tempo e amor às crianças, através de projetos sociais desenvolvidos pela instituição, como a confecção de pulseiras de miçangas e as oficinas de fanfarras. “Eu entendi a importância de ajudar o próximo através do voluntariado, aqui além de ensinar o que sei aprendo tantas outras coisas e incentivo meus amigos a participarem também”, pontuou.

Caroline Mendonça, há mais de dez anos atuando como voluntária, está inscrita na plataforma Bahia.Estado Voluntário e fala sobre a importância disso para a abertura a novas experiências. Segundo ela, o voluntariado deu um novo sentido à própria vida e é ainda uma forma de se sentir útil ao servir a comunidade. “Através do voluntariado fazemos a diferença na vida de alguém, acumulamos experiências, conhecemos novos amigos e contribuímos da forma de podemos para levar um pouco de alegria. Trabalho com artesanato, dança e pintura na creche, amo essas crianças e para mim é gratificante estar aqui aprendendo algo novo e ajudando o próximo”, salientou.

Corrente do bem

 A costureira Edna Oliveira tem três netos matriculados na creche e reconhece a importância da instituição para o bairro, pois muitas famílias e mães solteiras sobrevivem de um salário mínimo e não teriam condições de pagar aluguel, arcar com os demais custos e ainda manter seus filhos em uma creche particular ou pagar a uma babá. “É fundamental ter as escolas comunitárias dentro dos bairros de Salvador. Ajudam toda a nossa comunidade guerreira que sai cedo e volta tarde, para trazer o sustento da família”, afirmou. 

Mais solidariedade, mais cidadania. Muito mais Bahia.

Com o escopo de ampliar a rede de voluntariado e fortalecer a solidariedade coletiva, em 2019, foi lançada a plataforma Bahia.Estado Voluntário. A ferramenta on-line funciona como intermédio entre entidades públicas ou privadas aos cidadãos que pretendem atuar em trabalhos voluntários.

O cadastro é simples, basta acessar o portal: www.estadovoluntario.ba.gov.br e preencher as informações solicitadas. A plataforma de cidadania foi desenvolvida conjuntamente pela Secretaria da Administração (Saeb) e pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS).

Como funciona

Para participar, órgãos, entidades sem fins lucrativos e voluntários devem preencher cadastros específicos no site. No caso das entidades, é necessário apontar itens como o CNPJ e a razão social. Já pessoas físicas que queiram realizar a atividade devem indicar os dias e horários disponíveis, além das áreas de atuação nas quais têm interesse em participar.

Ainda existe a possibilidade dos candidatos receberem convites para participar de projetos adequados ao seu perfil. Caso aceite, o candidato aguardará a aprovação do gestor do projeto, que também deve monitorar e avaliar o desempenho dos voluntários, a fim de validar o certificado de participação ao final do trabalho.