quarta-feira, 26 de junho de 2019
Direito

ASSANGE, fundador do site WikiLeaks, é preso pela Policia em Londres

Equador retirou a condição de asilado
Da Redação , Salvador | 11/04/2019 às 07:51
Momento em que Julian Assange é preso
Foto: Reprodução

JULIAN Assange foi preso por policiais britânicos hoje e arrastado gritando algemado pela embaixada equatoriana depois de sete anos escondido lá dentro, segundo The Sun.

O fundador do WikiLeaks, 47 anos, foi arrastado para fora do prédio algemado depois de passar 2.487 dias escondidos desde 2012.

Esta manhã, o Equador retirou seu status de asilo, levando Assange a ser drasticamente algemado de seu esconderijo nos últimos sete anos.

Ao ser arrastado do prédio, ele pareceu gritar "O Reino Unido não tem civilidade" e "o Reino Unido precisa resistir".

Assange não sai da embaixada desde agosto de 2012 - custando ao contribuinte britânico mais de 10 milhões de libras.

Ele temia que, ao sair do solo diplomático do Equador, fosse preso e extraditado para os EUA por publicar milhares de telegramas militares e diplomáticos confidenciais por meio do WikiLeaks.

O QUE NÓS SABEMOS:

Julian Assange foi preso depois de 2.487 dias - custando aos contribuintes britânicos mais de 10 milhões de libras.
Ele se escondeu em agosto de 2012 para evitar enfrentar a extradição para a Suécia por agressão sexual e acusações de estupro.
Suécia retirou as acusações em 2017, mas o acusador sueco hoje pediu que o caso seja reaberto
Procurado nos EUA por espionagem e publicação de documentos governamentais sensíveis, e no Reino Unido por não pagar fiança em 2012
Ele teme que possa enfrentar pena de morte se for extraditado para os EUA por causa do escândalo do WikiLeaks
Presidente equatoriano disse que libertação de Assange depende de não enfrentar a extradição para o país com pena de morte
O ministro das Relações Exteriores, Sir Alan Duncan, disse que "os tribunais britânicos decidirão" seu futuro
O secretário de Relações Exteriores, Sajid Javid, deve fazer uma declaração à Câmara dos Comuns nesta tarde
Departamento de Estado dos EUA ainda não comentou

Os advogados de Assange já argumentaram que ele poderia enfrentar a pena de morte se fosse extraditado para os EUA.

O presidente equatoriano Moreno disse em dezembro que Assange poderia ser levado sob custódia britânica se o Reino Unido garantisse que ele não seria extraditado para um terceiro país onde ele poderia enfrentar a pena de morte.

Hoje ele disse que a Grã-Bretanha confirmou que não extraditaria Assange para um país que tem a pena de morte.

O ministro do Exterior, Sir Alan Duncan, disse hoje que enfrentará "a justiça da maneira correta no Reino Unido" e será "para os tribunais" decidir o que acontecerá em seguida.

O Departamento de Estado dos EUA não comentou sobre a prisão ainda.

Durante o tempo em que esteve escondido, Assange foi visitado por numerosos rostos famosos - mais notavelmente a ex-estrela do Baywatch, Pamela Anderson, que uma vez foi considerada sua "amante".

Hoje ela retweetou uma foto antiga dele ao lado da legenda "a verdade prevalecerá" em latim.
ASSANGE EM PUNHOS
O presidente do Equador, Lenin Moreno, disse no Twitter: "Em uma decisão soberana, o Equador retirou o status de asilo a Julian Assange depois de repetidas violações a convenções internacionais e protocolos de vida diária".

Mas o WikiLeaks disse que agiu ilegalmente ao encerrar o asilo político de Assange "em violação do direito internacional".

Um comunicado da Polícia Metropolitana disse: "Ele foi levado sob custódia em uma delegacia central de Londres, onde permanecerá, antes de ser apresentado à Corte de Magistrados de Westminster assim que for possível".

"O MPS tinha o dever de executar o mandado, em nome do Tribunal de Magistrados de Westminster, e foi convidado para a embaixada pelo embaixador, após a retirada do asilo pelo governo equatoriano."

O secretário do Interior, Sajid Javid, twittou: "Quase sete anos depois de entrar na embaixada equatoriana, posso confirmar que Julian Assange está sob custódia da polícia e enfrentando justamente a justiça no Reino Unido. Gostaria de agradecer ao Equador pela cooperação e pelo seu profissionalismo. um está acima da lei ".

Ontem, Fidel Narvaez, ex-cônsul do Equador em Londres, disse: "A embaixada equatoriana não está protegendo Assange