quinta-feira, 22 de abril de 2021
Cultura

OBRIGADO, VARJON - UM CAUSO COM ELIEZER VARJÃO, p NESTOR MENDES JR

Nestor Mendes Jr é jornalista
Nestor Mendes Jr , da redação em Salvador | 06/04/2021 às 18:18
João Paulo II
Foto: REP
O grande repórter Alberto Miranda era o maior algoz do Chefe de Reportagem Eliezer Varjão em A Tarde.

Quando da segunda visita a Salvador do Papa João Paulo II, em 1991, A Tarde publicou um caderno especial sobre a presença do pontífice na cidade, visitando Santa Dulce e as porras. E criou um expediente próprio, colocando o nome da equipe responsável pela edição, inclusive ele próprio, Varjão, como “coordenador-chefe”.

No dia seguinte, por volta das 18h, redação apinhada na Tancredo Neves, Damião, o nosso eterno velho-boy, põe a mão no bocal do telefone e grita do fundo da sala:

- Seo Varjão, telefone. Disseram que é de uma tal Nunciatura, em Brasília.

Varjão pega o telefone e ouve:

- Varjón, aqui é Joanes Poulo Segundo. Estou legando pra lhe agradecher pela cobertura que vochê deu à noxa visita. O cadernho fiquou divina...

Varjão ficou pistola, bateu o telefone e gritou pro fundo da Redação:

- Miranda, seu fdp, estou cheio de trabalho e você vem com suas gracinhas. Vá pra porra...

Segue agora, Varjão, pra encontrar João Paulo II no céu e ouvir do sumo, mais uma vez, agora em viva-voz, “obrigado, Varjón”.