quinta-feira, 04 de mar?o de 2021
Cultura

I Encontro Literário Orí reúne nomes da cultura afro religiosa

Evento acontece em fevereiro e será 100% transmitido no youtube
Italo Pacheco , Salvador | 22/01/2021 às 11:14
I Encontro Literário Orí reúne nomes da cultura afro religiosa
Foto: Divulgação

Reagendada para 9, 10 e 11 de fevereiro, o I Encontro Literário Ori reúne nomes da literatura e religiosidade para debate sobre a história e as heranças dessas tradições, em Salvador. A transmissão pode ser acompanhada de qualquer lugar do mundo, pois será transmitido ao vivo no canal do Youtube do projeto. O Ori também pauta as discussões contemporâneas, a partir do olhar da diversidade religiosa brasileira, reunindo nomes significativos do candomblé, da umbanda e as variações que se estenderam até a literatura.


Realizada pela Pau Viola Entretenimento, o I Encontro apresenta uma mesa por dia e uma programação que mescla humor, música, história e leitura, abordando pautas transversais. Nele, a literatura inspirada no universo das religiões de matrizes africanas será protagonista, focando na produção por representantes do povo de santo na Bahia e no Brasil.


A proposta é potencializar a visibilidade de personagens e de seus respectivos trabalhos pautados a partir da cultura negra e inspirada nas religiões de matriz africana. Além disso, promover a interação com o olhar de algumas lideranças do candomblé que vem  compartilhando suas experiências das religiões de matrizes africanas que compõem a impressionante diversidade religiosa brasileira.


O evento conta com curadoria dos jornalistas Cleidiana Ramos e Tom Correia, e também com a direção artística do ator Jackson Costa. Cleidiana, doutora em antropologia pela UFBA, explica que a “singularidade da escrita praticada nos terreiros e as narrativas impregnadas de simbologia são os pilares deste evento”.


A programação geral será publicada ainda este mês e até lá, todos poderão acompanhar as informações e as novidades nas redes sociais com @oriliterario. O Ori tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Pedro Calmon  (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal”