ter?a-feira, 07 de julho de 2020
Cultura

O VINHO PODE AJUDAR NA PREVENÇÃO AO CORONA VIRUS?, p MAURÍCIO FERREIRA

Maurício Ferreira é bacharel em direito, professor universitário, sommelier profissional filiado a ABS-SP e colaborador do Bahia Já, onde assina a coluna Tempo de Vinho.

Maurício Ferreira , Bahia | 29/05/2020 às 19:10
Paciência e moderação
Foto: DIV

Que os novos tempos de isolamento social em decorrência da nefasta pandemia do Covid-19, trouxeram mudanças radicais nos hábitos dos brasileiros, ninguém discute, mas alguns números impressionam. Apenas para se ter uma ideia, dentro do nosso universo temático de vinhos e bebidas, uma matéria publicada no site globo.com registra que as vendas online de vinho no Brasil triplicaram no primeiro trimestre de 2020, sobretudo pelo aumento do número de marcas que aderiram ao e-commerce.

Vale dizer, ainda, que não só as vendagens aumentaram, mas o próprio consumo da bebida aumentou significativamente, movido não apenas pelos intermináveis momentos de contemplação domiciliar, mas, sobretudo, pela crença de que o próprio vinho e suas inúmeras propriedades terapêuticas, auxiliariam na prevenção e combate ao corona vírus.

Tal pensamento, tem sua origem, possivelmente, em um “precipitado” comunicado emitido pela Federação Espanhola de Enologia em resposta à vários consumidores, que questionavam não apenas à respeito dos riscos de contaminação de vinhos e garrafas pelo novo vírus, mas, sobretudo, dos efeitos benéficos proporcionados pelo consumo da bebida na prevenção ao Covid-19.

Sem que houvesse, qualquer estudo científico mais apurado, a federação espanhola teria divulgado uma nota, afirmando que o consumo moderado de vinho, poderia contribuir na prevenção da infecção causada pelo vírus, por proporcionar uma melhor higiene da cavidade bucal e da faringe, locais onde o vírus costuma se abrigar.

A tese, apesar de bastante razoável - já que o álcool e os polifenóis presentes no vinho, não nos parecem o melhor ambiente para a proliferação do corona vírus – ainda permanece totalmente desprovida de qualquer comprovação cientifica, induzindo a uma falsa percepção de segurança, em uma época na qual todo cuidado é pouco e as medidas preventivas não podem, e nem devem, ser negligenciadas.

Diante de tudo isso, nos parece, inicialmente, que a maior contribuição que podemos auferir do bom hábito de consumir vinho nestes tempos de pandemia, são as qualidades desenvolvidas pelo apreciadores desta divina bebida, que vem acompanhando os homens a  milhares de anos, como bem preceitua o jornalista e crítico especializado em vinhos, Marcelo Copello.

Segundo o renomado especialista, características como Paciência, Companheirismo, Isolamento, Humildade, Capacidade Disruptiva e Resiliência, são qualidades que ajudam a superar os tempos de crise e estão explicitamente presentes na cultura do vinho.

Por fim, não podemos deixar de lembrar, que apesar de não dispormos de nenhum estudo científico, que comprove qualquer benefício do consumo moderado de vinho no combate e prevenção ao Covid-19, é notório na comunidade científica, enorme potencial do vinho no fortalecimento do sistema imunológico, além de suas propriedades bactericida e antiviral, haja vistas, os diversos estudos que comprovam que o resveratrol, substância presente no vinho, possui  propriedades antioxidantes, cardioprotetoras e anticancerígenas, sendo capaz de melhorar o sistema imunológico através da ativação de NKs (natural killer) e da supressão de genes inflamatórios, além de agir de forma eficiente na antiagregação plaquetária, reduzindo assim, os riscos de coágulo e trombose, tão presentes em estados avançados do corona virus.

Se você deseja conhecer mais sobre o mundo do vinho, não deixe de acompanhar a coluna Tempo de Vinho, no www.bahiaja.com.br.