segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020
Cultura

Jipe de Pedra deslumbra visitantes no Ateliê Museu Ed Ribeiro, em CATU

Artista plástico tem sua arte cercada de originalidade e história.
da Redação , Salvador | 22/01/2020 às 18:31
Jeep de pedra do Ateliê Ed
Foto: DIV

O Ateliê Museu Ed Ribeiro, localizado na zona rural de Catu, abriga entre suas obras um cartão de visitas que deleita o olhar dos visitantes: o “Jipe de Pedra”. O primeiro a visualizar o Jipe com um olhar aprofundado é o artista plástico e curador Edmilton “Ed” da Cruz Ribeiro, quando a obra de arte ainda era uma pedra no meio da estrada, próximo a uma borracharia saindo da cidade de Catu.

O Pintor dos Orixás, como também é conhecido o artista, funda seu próprio ateliê em Catu, no ano de 2010, quando muda a carreira de empresário no Canela para voltar a sua terra natal e atuar como artista plástico. Em uma de suas empreitadas, seu olhar atento de artista enxergou onde trabalhadores, passeantes e demais moradores não conseguiram, o potencial de uma pedra comum se tornar obra de arte. 

Era quarta-feira, dia de agradecimento aos orixás Iansã e Xangô, quando Ed saiu para procurar uma peça para seu carro e avistou um amontoado de pedra de aspecto curioso. Ao parar na borracharia, seu olhar dividia-se entre o propósito e aquele objeto chamativo. Fixando o olhar por um tempo, o artista pôde visualizar um Jipe no formato de pedra. 

— Vocês estão visualizando alguma coisa ali? — Perguntou Ed aos borracheiros.

Sem respostas, Ed Ribeiro lhes contou que visualizava ali um Jipe de Pedra, despertando nos trabalhadores a curiosa proporção e medidas do objeto, que se assemelhava ao veículo. Contatando o dono da Serraria ao qual pertencia aquela pedra, o artista adquiriu permissão e começou a trabalhar no Jipe com o auxílio de um mestre de obras, formando a base e colocando rodas de carro originais em sua obra de arte. 

Passado uma semana, Ed conseguiu o contato de um caminhão “munck”, que o auxiliou a transportar a enorme pedra para seu santuário, sobrepondo o objeto na base construída. Cartão de visitas do seu ateliê, o “Jipe de Pedra” é uma das atrações mais comentadas na visitação de turistas de todas as partes do mundo. 

“Eu não esculpi o Jipe. O material está original e fiel a como vi pela primeira vez, apenas ressignifiquei a obra com o olhar artístico e a fiz renascer da natureza”, afirma Ed. 

Segundo o artista, o “Jipe de Pedra” é uma das obras mais significativas da sua vida, e uma das mais lindas devido à sua naturalidade. “O jipe, que se encontra atualmente no meu santuário, o Ateliê Museu Ed Ribeiro, está em meio a outras obras fascinantes desse lugar paradisíaco, repleto de artes em contato com a natureza. Apesar disso, meu sonho é ver o Jipe em um dos museus do mundo, pois será uma das mais lindas e visitadas peças do acervo. Não há nada tão real e original quanto ele”, anseia Ed. 

Dono do Ateliê Museu Ed Ribeiro, a originalidade da natureza de suas obras entrega a personalidade única do artista. De acordo com Ed, o Instituto Inhotim, um dos maiores acervos de arte contemporânea do mundo, é um dos seus desejos para a exposição do “Jipe de Pedra”, que possui verossimilhança com os “Fuscas de Inhotim”. 

Pensando ainda mais longe, Ed fala sobre seus anseios em associar o protagonismo do “Jipe de Pedra” à popular marca Jeep. Antecipando a exposição de sua obra, Ed Ribeiro pensa, a curto prazo, em exibir o jipe em alguma área de Salvador, ganhando destaque e visibilidade para sua arte. 

“O artista enxerga onde as pessoas não conseguem ver, e me orgulho de ter visualizado esse Jipe. Penso que essa é uma das obras mais destacadas e mais comentadas do meu próprio acervo. É meu sonho que o Jipe de Pedra se torne cada vez mais reconhecido no mundo, e um sonho que eu quero, eu vou a busca”, conclui.

O Ateliê Museu Ed Ribeiro está disponível todos os dias para visitação, mediante agendamento através do contato (71) 99957–5439.