segunda-feira, 27 de maio de 2019
Cultura

ALBA e FUNDAÇÃO PEDRO CALMON lançam Memória da Bahia Vol 5

Evento acontece hoje a partir das 17h
Da Redação , Salvador | 15/05/2019 às 15:23

A Fundação Econômico Miguel Calmon e a Assembléia Legislativa da Bahia lançam o quinto e último volume da Coleção Memória da Bahia, no Museu Eugênio Teixeira Leal, Pelourinho, hoje, a partir das 17h, para convidados. 

Dentre os palestrantes e familiares que confirmaram presenças para a sessão de autógrafos, nesta quarta-feira, estão o ex-governador da Bahia - Roberto Filgueira Santos, Leda Jesuíno dos Santos, Lia Vianna Queiroz - filha de Luiz Viana, Heloisa Oliveira Magalhães representando o pai José Maria Magalhães, Jõao Eurico Matta, Soane Nazaré de Andrade, Antônio Luiz Calmon Navarro Teixeira - representando o irmão Luiz Carlos Calmon Navarro Teixeira da Silva, Antônio Luis Nogueira Chaves, George Calmon Filho - representando o tio, Francisco Marques de Goes Calmon e Thereza Oliva Marcilio de Souza. 

A Coleção Memória da Bahia é composta por 97 palestras, ocorridas no período compreendido entre 1985 a 1995, proferidas por expoentes nas áreas da política, economia, religião, sociedade, medicina, arquitetura e cultura baianas. Estas palestras possuem valor inestimável tanto pelos assuntos tratados, quanto pelos palestrantes ilustres que compuseram esse programa. Representam o resgate da memória e o fortalecimento da identidade regional, constituindo-se, dessa maneira, em fonte de reflexões, estudos e pesquisas sobre a diversidade dos temas abordados. Todas foram gravadas com o propósito de constituir um registro dos usos, costumes, saber e fazer dos baianos, especialmente, no século XX.

A parceria com o Legislativo da Bahia viabilizou a publicação dessa Coleção que é voltada para o resgate de obras de inequívoco valor literário, histórico e cultural, mas, também, para a preservação da história da Bahia, de nossa gente e das nossas melhores tradições. Houve, portanto, uma conjunção de objetivos imediata entre as suas instituições e o conteúdo, zelosamente guardado, de palestras realizadas por eminentes baianos no Museu Eugênio Teixeira Leal durante uma década a partir de 1985, por iniciativa do saudoso professor José Calasans, veio, finalmente, a ser publicado.

O material produzido pelas palestras ficou preservado, no Memorial, por cerca de 20 anos. Merece registro o profissionalismo de seu corpo funcional que se impôs à missão de conservá-lo. Para editá-lo foi agrupado em cinco eixos temáticos: 1. Patrimônio, Arquitetura, Urbanismo e História de Salvador; Religiosidade; 2. Arte, Literatura e Fala Pelô (outro programa de oralidade a partir da coleta de depoimentos de antigos moradores, comerciantes e líderes comunitários e religiosos), ambos já lançados. Os demais eixos temáticos formaram o volume 3 – ora lançado – Economia, Comércio e Finanças de Salvador; Política; o 4. Mulher; Personalidades da Nossa Bahia; e 5. Meu Pai; Meu Mestre; Minha Terra. Cada grupo gerou um livro.

Obtivemos o apoio necessário à publicação desse acervo na Assembleia Legislativa da Bahia, através dos seus presidentes, Clóvis Ferraz, Marcelo Nilo e o atual, Nelson Leal, que vislumbraram a importância e alcance desses livros. Esta atitude presenteia a Bahia com uma obra inédita, relevante, que muito contribuirá para estudos de uma diversidade de aspectos e fatos que constituem a história econômica, social, política e cultural deste estado.

Desde sua implantação o Museu Eugênio Teixeira Leal evidenciou para a Bahia a sua vocação contemporânea e ativa, transformando-se ao longo das últimas décadas em uma autêntica casa de cultura. Integrado por esse Museu junto com a Biblioteca Inocêncio Marques de Góes Calmon, Cineteatro Francisco de Góes Calmon, Galeria Francisco de Sá e o Arquivo Histórico, o Museu/Memorial gerou e disseminou arte, educação e cultura em um ritmo diferenciado do predominante em instituições congêneres em nosso estado.

Cumpre registrar que esta instituição já nasceu sob a égide da educação. Esteve, sempre, pautada pelo desenvolvimento de ações educativas e socioculturais, como o Programa Museu-Escola, direcionado a escolas e universidades, públicas e particulares, ao patrocínio e realização de cursos, palestras, seminários, oficinas, concursos, projeção de filmes, exibição de vídeos, exposições temporárias e itinerantes, publicação e lançamento de livros.

O Museu Eugênio Teixeira Leal/Memorial do Banco Econômico continua ativo. Desde 2001, tem intensificado essas ações pautado na missão de “contribuir para a preservação, a difusão e a apropriação do patrimônio cultural, aplicando ações museológicas e atuando como referencial para o exercício da cidadania”. Para tanto, desenvolve uma diversidade de ações socioeducativas que propiciam uma interação com a comunidade que supera a assimetria entre o acervo, o espaço museal e a sociedade.