segunda-feira, 20 de maio de 2019
Cultura

PAPA confia a missionária do Quênia os textos da Via Crucis em Roma

Com informações do Corriere della Sera
Tasso Franco , da redação em Salvador | 20/04/2019 às 06:15
Papa com a irmã Eugenia Bonetti
Foto: Corriere della Sera

ROMA "O desafio da coragem é exigido de todos, mas especialmente de nós, mulheres". Dezenas de milhares de luzes iluminam a noite romana da Sexta-feira Santa, em torno do Anfiteatro Flaviano as estações que resumem a dor do presente seguem-se mutuamente, Francisco assiste absorvido pelo Monte Palatino. 

Não é a primeira vez que os textos da Via Crucis são confiados pelo Papa a uma mulher, mas nunca, desta vez, nas meditações da Irmã Eugenia Bonetti, o ponto de vista tem sido tão feminino, prestando especial atenção ao dizer o calvário das mães e meninas migrantes que são vítimas do tráfico, reduzidas à escravidão, jogadas nas ruas e forçadas à prostituição, e para denunciar a hipocrisia dos homens: 

“Pensemos nas crianças usadas e exploradas em nossas estradas por muitos, inclusive cristãos, que perderam o senso próprio e a santidade dos outros. Como um menor com um corpo minúsculo, encontrado uma noite em Roma, que homens em carros luxuosos faziam fila para explorar. No entanto, ele poderia ter a idade de suas filhas ".

OS RITOS DA SEMANA SANTA
O Papa na Via Crucis no Coliseu


Nas meditações confiadas à irmã Eugenia Bonetti, missionária no Quênia e, em seguida, salvadora de jovens prostitutas, especialmente estrangeiras, um ponto de vista feminino sobre a provação de mães e jovens vítimas de tráfico reduzido à escravidão.

"O desafio da coragem é exigido de todos, mas especialmente de nós, mulheres". Dezenas de milhares de luzes iluminam a noite romana da Sexta-feira Santa, em torno do Anfiteatro Flaviano as estações que resumem a dor do presente seguem-se mutuamente, Francisco assiste absorvido pelo Monte Palatino. 

Não é a primeira vez que os textos da Via Crucis são confiados pelo Papa a uma mulher, mas nunca, desta vez, nas meditações da Irmã Eugenia Bonetti, o ponto de vista tem sido tão feminino, prestando especial atenção ao dizer o calvário das mães e meninas migrantes que são vítimas do tráfico, reduzidas à escravidão, jogadas nas ruas e forçadas à prostituição, e para denunciar a hipocrisia dos homens:

 “Pensemos nas crianças usadas e exploradas em nossas estradas por muitos, inclusive cristãos, que perderam o senso próprio e a santidade dos outros. Como um menor com um corpo minúsculo, encontrado uma noite em Roma, que homens em carros luxuosos faziam fila para explorar. No entanto, ele poderia ter a idade de suas filhas ".

Francisco leva a paola no final, "Jesus, ajuda-nos a ver na tua Cruz todas as cruzes do mundo", uma longa oração que fala entre outras coisas de pessoas solitárias, de idosos, de famílias desfeitas, do meio ambiente e "a casa" comum que se desvanece ", dos" migrantes que encontram portas fechadas por causa do medo e dos corações blindados por cálculos políticos "mas também dos problemas que ele mesmo tem que enfrentar:" A cruz dos pequenos feridos em sua inocência e pureza ", uma referência aos crimes de pedofilia, e "a cruz da Igreja, sua noiva", que "acha difícil levar seu amor até entre os próprios batizados" e "sente-se continuamente assediado por dentro e por fora".