ter?a-feira, 22 de janeiro de 2019
Cultura

ZARAGOZA: VISITEI O 1º TEMPLO MARIANO DA HISTÓRIA DA IGREJA CATÓLICA

Considerada patrimônio da humanidade e uma das 12 obras mais importantes da Espanha às margens do Rio Ebro, Zaragoza, Espanha
Tasso Franco , da redação em Salvador | 09/01/2019 às 17:46
Tradição diz que neste local a Virgem Maria mandou Santiago construir uma capela
Foto: Tasso Filho
   Zaragoza é uma das cidades mais antigas da Espanha e seu nome atual deriva de antigo topônimo romano 'Cesaraugusta', que recebeu em honra ao imperador romano César Augusto. em 14 a.C. Chegou aos nossos dias através do árabe Šarakusta. O monumento mais importante da cidade é a catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar considerada um dos doze tesouros da Espanha, maior templo barroco do país.

   Segundo a tradição católica, a basílica fica no exato local onde Maria, mãe de Jesus, teria surgido ao apóstolo Tiago (despu[es Santiago), em cima de um pilar ou coluna, quando este andava a pregar aos povos da Península Ibérica. Tiago encontrava-se em 'Cesaraugusta', nas margens do rio Ebro, junto a um pequeno grupo de convertidos. O Ebro é o mais extenso rio da Espanha.

   Alguns cesaraugustanos não acreditavam no apóstolo, pelo que este começou a perder forças e a questionar-se sobre se teria sentido continuar a espalhar a mensagem de Jesus. Segundo dados do Wikipédia, quando a sua fraqueza pelo desânimo lhe fez perder o seu valor, viu Maria, a mãe de Jesus, rodeada de anjos que vinham desde Jerusalém para confortá-lo e renovar os seus ânimos. 

   A Santíssima Virgem entregou a Santiago o Pilar, a Coluna de jaspe que hoje sustenta a sua imagem, como símbolo da força que devia ter a sua fé. Este episódio sucedeu-se na madrugada do dia 2 de Janeiro do ano 40 do século I. 

   Maria conversou com Santiago e encarregou-o de levantar um templo sobre a Coluna ou Pilar que trouxe, convertendo-se assim no primeiro santuário Mariano da cristandade.

   Fiquei impressionado ao visitar o templo na virada do ano. É de uma monumentalidade que nunca tinha visto antes num templo católico que também teria servido de mesquita na época da ocupação árabe na peninsula ibérica. Fazia muito frio quando a visitei e tive a felicidade de assistir a uma missa da virada do ano dia 31 de dezembro de 2018 com parte da basílica lotada de fieis e turistas.

   HISTÓRI

   Trata-se do primeiro templo de devoção mariana de toda a cristiandade, visto que nela se conserva o pilar, na realidade uma coluna de jaspe colocada pela própria Virgem Maria, que apareceu em vida ao apóstolo Santiago em Zaragoza no ano 40 dC.

   Diz-se que no local da atual catedral havia uma capela, mandada construir pela Virgem para acolher a coluna, testemunho de sua vinda à cidade, e que foi executada por Santiago. Não há, porém, provas arqueológicas nem documentais desta capela. Como muitos aspectos da história da igreja católica teria sido uma lenda.

   A história documentada do templo se remonta ao  séc. IX, quando Zaragoza era dominada pelos mouros. Na Saraqusta, como era denominada então, existia uma igreja dedicada à Santa Maria no mesmo local em que se ergue o atual templo barroco.

   Segundo o site "Um Brasileiro na Europa", depois da conquista da cidade pelo rei Alfonso I, chamado de “O Batalhador”, a igreja encontrava-se num estado deplorável. Tempos depois, decidiu-se pela construção de uma nova, em estilo românico, cujas obras finalizaram no séc. XIII. Também esta edificação chegou ao final do século deteriorada, sendo necessário, pois, outra que a substituísse, agora no estilo gótico-mudéjar. Este novo templo finalizou-se em 1515, e incluía o coro e o retábulo maior, presentes na atual basílica. 

   Finalmente, em 1670, promove-se a concretização do atual edifício barroco. As obras começaram somente em 1681, e depois da ampliação efetuada no séc. XVIII, alcançou as dimensões atuais: 130m de comprimento por 67 de largura. A nova capela da Virgem foi terminada em 1765, obra do arquiteto Ventura Rodrigues.

   As torres, que realçam seu tamanho, foram colocadas somente no séc. XX, e alcançam 90m de altura.
O retábulo maior está dedicado à Asunçao da Virgem, e foi realizado pelo escultor Damián Forment, em alabastro policromado, entre 1515/1518.

   Em frente ao Altar Maior, situa-se o coro renascentista, realizado no séc. XV. O órgão principal da catedral é de 1529, e permaneceu com seu aspecto original até 1940, quando foram realizadas reformas.

  A Capela de N. Sra. Do Pilar é uma construção independente dentro da catedral, sendo considerada uma das obras máximas do barroco espanhol. A imagem da Virgem  em madeira dourada é uma escultura gótica, realizada em 1435 e atribuída a Juan de la Huerta. Na fachada posterior da capela, se pode venerar a Santa Coluna, através de um óculo aberto no jaspe.

   De todas pinturas que decoram as cúpulas que rodeiam a Santa Capela, a mais importante é a denominada Regina Martirum (rainha dos mártires), pintada por Goya em 1781. Como fato curioso, durante a Guerra Civil, foram lançadas 3 bombas sobre o templo, mas nenhuma delas  explodiu. 

Nas festas dedicadas ao Pilar, que se celebram na semana do dia 12 de outubro, a cidade recebe milhares de fiéis. O calendário cultural é extenso, com concertos, espetáculos pirotécnicos etc, e o ponto culminante das festividades é a popular Oferenda de flores. No dia 12, uma multidão coloca flores numa grande estrutura piramidal, situada no centro da Praça do Pilar e coroada pela imagem da santa.