ter?a-feira, 27 de outubro de 2020

JUSTIÇA SEJA FEITA A WALTER PINHEIRO COM IDEB ELEVADO , p NEY CAMPELLO

Ney Campello
16/09/2020 às 10:51

   Se a Bahia comemora hoje o melhor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) na série histórica para o Ensino Médio, boa parte deste mérito deve ser atribuído à equipe liderada pelo Secretário do Planejamento do Estado, Walter Pinheiro, que esteve à frente da pasta da Educação entre junho de 2016 até o final de 2018. Isso porque o IDEB 2019 avalia, justamente, este período.

  Isso não significa que o bom avanço registrado resume-se a uma personalidade pública ou mesmo a um curto período de dois ou três anos. Não é por outra razão que temos um Plano Decenal de Educação, para a garantia de um contínuo histórico de ações acertadas, que no médio e longo prazo assegurem  a boa colheita do ensinar e do aprender.

  É projeto coletivo que alcança muitos protagonistas, dentre os quais devemos destacar os professores que se dedicam diuturnamente à missão de educar, os estudantes da rede pública de ensino que respondem sempre positivamente quando atraídos por projetos em sintonia com as demandas contemporâneas e os gestores escolares (diretores e coordenadores pedagógicos) que são essenciais na implementação do Projeto Político Pedagógico de cada unidade escolar.

   Portanto, “a César o que é de César”, e o Secretário Walter Pinheiro soube interpretar com maestria  o conceito de “sistema” e “rede”, sem nunca ter sido professor, e assentou com sua equipe as bases de uma educação pública inovadora, com foco na aprendizagem e contextualizada no território.

   Se a rede estadual saltou de 2,7 (2017) para 3,2 (2019), um aumento de 0,5 pontos percentuais, acima da média nacional, que cresceu apenas 0,4, a gestão foi marcada pela centralidade do eixo pedagógico, a começar pelo esforço de boa governança de Pinheiro que com uma economia nunca registrada no âmbito da SEC, pode garantir concurso público para ingressar mais de 2.600 professores e coordenadores pedagógicos na rede, preenchendo uma lacuna histórica ao garantir que toda unidade escolar tivesse o direito à mediação do planejamento pedagógico pelos Coordenadores.

   Sim! Não se faz educação com salas de aulas sem professor e o êxito pedagógico depende, enormemente, de articuladores pedagógicos que a rede não possuía e hoje tem em quase todas as unidades escolares do estado. 

   Os 04 (quatro) eixos desta política pedagógica: currículo, formação, monitoramento e avaliação foram levadas com seriedade e vem sendo aprofundadas pela atual gestão da SEC, e através da orientação sistemática do planejamento em rede, as Unidades Escolares pautaram temas ancorados nesses 04 eixos semanalmente, durante as reuniões de planejamento (AC).

   As diretrizes referenciais para um novo currículo foram entregues ao Conselho Estadual de Educação neste período de gestão, a formação de professores nos territórios, aproximando a política educacional das vocações e identidades locais, a criação do SIAP, um sistema de acompanhamento das ações pedagógicas e o avanço na educação digital, a partir da parceria com o Google Education, são registros de uma gestão que teve coragem de enfrentar corporativismos e favoritismos, disfunções burocráticas capazes de anular qualquer esforço inovador na educação pública.

    A Jornada Pedagógica foi para o plural e passamos a adotar 03(três) Encontros Pedagógicos por ano, para apoiar nossos professores e gestores, e aprofundar o conhecimento da rede sobre aspectos fundamentais para a melhoria do IDEB, tais como proficiência, avaliação da aprendizagem, diversificação de estratégias metodológicas e garantia do direito de aprender.

   Foi também neste período que a Secretaria de Educação do Estado mais diversificou a oferta da Educação Profissional e estruturou um novo perfil de oferta, com foco na educação integral.

  A educação inclusiva foi levada a sério, e depois de 40 anos engavetada, as Diretrizes Curriculares para essa cidadania invisível foi lançada. O programa Escolas Culturais concebido pelo saudoso Prof Jorge Portugal saiu do papel, e a arte e cultura passaram a despertar o gosto de uma nova escola pelos nossos estudantes. 

  No Ensino Médio, o ENEM 100% foi um dos destaques, promovendo um acompanhamento do aluno desde sua inscrição até a realização do exame, sem contar o REDIJAÊ que apoiou a preparação dos nossos estudantes para a Redação do Exame Nacional do Ensino Médio. Sendo também importante destacar a reestruturação da oferta da progressão parcial (conhecida como dependência), melhorando o fluxo dos estudantes ao longo da etapa, e a realização de Seminários Territoriais do Ensino Médio em todos os NTE, reunindo professores das 04 áreas de conhecimento em um diálogo de fortalecimento do currículo do Ensino Médio.

   Para integrar e potencializar todas essas ações, a gestão Pinheiro apostou nos gestores escolares, o próprio Secretário visitou quase todas as mais de mil escolas da rede em apenas dois anos e meio, para conhecer e valorizar a autonomia escolar, potencializando o engajamento dos coletivos escolares.

   Tudo isso contribuiu para que, em termos percentuais, a Bahia tivesse crescimento de 18,5%, ficando abaixo apenas do Paraná, com 18,9%. Na rede estadual, o IDEB também cresceu nos ensinos Fundamental I (0,1 ponto percentual) e Fundamental II (0,5 pontos percentuais).

  Certamente este resultado divulgado tem também o esforço da atual gestão nos apenas 07 meses que antecederam o SAEB 2019, como gestões anteriores ao Secretário também colaboraram para esse resultado. Assim é a Educação com “E” maiúsculo! Um trabalho de muitas mãos, cabeças e, sobretudo, corações!

   Os resultados são animadores, mas é preciso continuar avançando. Estamos muito distantes da meta nacional do IDEB, a proficiência se encontra em níveis baixos, há muito a fazer pela escola pública, num cenário nacional devastador de desimportância e desinvestimento em educação, ciência e tecnologia. 
   Não é um resultado para comemorações. É um ato de reconhecimento do que muito se fez pela educação pública do estado nos últimos anos, para que o compromisso da utopia realizável permaneça acalentando nossos sonhos, e a indignação com o descaso com a educação no Brasil nunca deixe de nos povoar.

***Prof Ney Campello – Ex-Secretário Municipal de Educação de Salvador e Ex-Superintendente de Educação Básica do Estado (julho de 2017/março de 2019)