quarta-feira, 12 de agosto de 2020

QUITÉRIO: UM CORPO QUE VAI E UM CORAÇÃO QUE FICA, p VALDIMIRO LUSTOSA

Valdimiro Lustosa
10/06/2020 às 10:24
Neste momento em que morrem mais de 1.000 pessoas por conta da Covid-19, recebo a triste notícia de que mais um amigo está se despedindo de nós. Bárbara, a filha de Quitério, nos avisa que seu pai está nas últimas. Uma pena! Não vamos poder nos despedir do amigo que está no Aristides Maltez esperando o momento para ser sepultado.

Quitério, para quem não sabe, foi mais que um garçom nos bares de Salvador. Quitério foi um amigo, um irmão que nos serviu por muitos anos, aturando nossas cachaças com paciência, com delicadeza, características de um grande ser humano. 

Quitério trabalhou no Quintal do Raso da Catarina, bar do nosso amigo Franco Barreto, ponto de encontro de amigos e amigas no Campo Grande. Quitério era o garçom intelectual. Vendia livros, lia alguns, discutia a qualidade do produto que vendia. Eu mesmo tenho vários livros comprados em sua mão -a maioria da Editora Aguilar.

Vai-se mais um ser humano que deveria continuar conosco por mais alguns anos. Quitério gostava de todos e todos gostavam de Quitério.

Nosso amigo foi acometido de câncer, não de coronavírus, mas face a pandemia não poderemos ir a seu sepultamento. Daqui me despeço dele, estendendo meu abraço a sua querida filha Bárbara.

Quitério, seu corpo se vai, mas o seu coração de homem sério, a sua paciência de Jó, a sua honestidade e humildade ficam na nossa lembrança. Espere-nos no céu e lá tomaremos um vinho ou um chope de forno à moda do Velho Quintal do Raso da Catarina.

Vá com Deus!