segunda-feira, 11 de novembro de 2019

CRÔNICA: Galo Bingo canta Pixinguinha para casal de doutores -III

Tasso Franco
02/08/2019 às 11:05
   Nos capítulos I e II vimos que a vendedora de cocos verdes Tássia Flor do Amanhã encontrou um galo semi-morto na encosta do Morro Ipiranga, em Salvador, e salvou a sua vida dando-lhe o nome de Bingo. O galo, por amor à sua protetora, resolveu ir morar numa encosta do Morro do Cristo, ao lado da sua tenda de cocos e prometeu ajudá-la com seu canto amealhando mais fregueses.

                                                                         *****

   Dito e feito: com a presença do galo Bingo nas proximidades da tenda de dona Tássia Flor do Amanhã cantando Benito de Paula, Gilberto Gil e Raimundo Fagner, só para citar três compositores que ele adora, as vendas de coco verde duplicaram em pouco tempo e o galo passou a ser admirado por alguns clientes.

   A vendedora, agora mais do que nunca, temia pela morte do galo uma vez que Bingo vivia numa encosta íngreme à beira do Mar Tenebroso, mar aberto na rota para a entrada da Baía de Todos os Santos, a poucas milhas onde afundou o Galeão Santíssimo Sacramento, em 5 de maio de 1668, causando centenas de mortos, entre eles, o general Francisco Correia da Silva, governador da Província da Bahia nomeado por Lisboa e que seria o substituto de Alexandre de Souza Freire.

   O galo dava de ombros: - Isso é coisa do passado. Fosse hoje, com GPS, evitaria o banco de pedras de Santo Antonio e não afundaria, disse ele.

   - É, mas se você cair nesse mar aí já era. Não tem GPS certo - respondeu ela com linguagem bem baiana. E, acrescentou: - Você agora é importante aqui pra tenda porque as vendas melhoraram.

   - Eu lhe falei que sou o bamba e iria incrementar suas vendas - cocorocou o galo.

   Nessa prosa a beira do morro do Cristo eis que chega o casa de doutores Vencesmundo e Victoria, moradores de Ondina, e solicitam dois cocos gelados. O galo faz de conta que não ouviu a pedida e ficou ciscando e corujando os fregueses. De repente, começa a cantar uma música de Geraldo Azevedo que fala da praia da Boa Viagem. 

   O casal fica atônito e pergunta a dona Tássia: - A senhora está cantando?

   Ela responde: - Eu não. É o galo - aponta para o animal.

   - E esse galo canta canções da MBP?

   - Canta músicas de Caetano, Gil, Fagner, Milton Nascimento, Zeca Pagodinho e outros - disse ela ao casal admirado com tal façanha.

   - Agora, ele é invocado. Só canta quando dá na telha ou quando dou um agrado, um pão cacetinho molhado pra ele bicar ou uma mão de milho.

   - E como é o nome deste galo cantador?

   - Tava meio perdido, moleque de rua, amparei-o, trouxe pra aqui e dei o nome de Bingo - comentou.

   Doutor Vence - assim também é conhecido por seus pacientes - balançou a cabeça como se dissesse: - É coisa do outro mundo! e foi embora pegando o caminho de casa. 

   Na trilha para sua casa falou pra esposa Victoria - também chamada na intimidade de Vice: - Vou no Bpipão comprar dois pães de milho dos melhores e amanhã vou levar para aquele galo que quero ver ele cantar. Se for verdade é uma atração extraordinária e podemos sugerir ao produtor do programa Prosaico uma reportagem com ele na televisão.

   - Deixe de besteira que aquele galo não vai cantar coisa alguma e você vai é perder seu tempo - aduziu Vice.

   - Eu vi com esses olhos que um dia o solo abrigará que astuciei cantando Geraldinho Azevedo e a moça da praia da Boa Viagem num domingo azul.

   - Você não viu nada. Pode ter sido uma ilusão de ótica, um zumbido qualquer, você anda muito cansando com tanto trabalho na clínica.

   - Você está achando que fiquei louco. Eu vi e ouvi e dona Tássia confirmou.

   - Ora, meu bem! Ela tá querendo é vender cocos. Para ela, galo canta, macaco assovia, pato baila, cachorro toca violão, tudo isso faz parte do marketing, o que, aliás, falta em nossa clinica. É muito trabalho que temos e pouco dinheiro no caixa.

   - Seja como for, amanhã tiraremos a prova, disse ele chegando em casa e aborrecido com a esposa que duvidara do marketing da Olhos Verdes, sua clínica.

   No outro dia, Vence comprou dois dos melhores pães de milho do Bpipão, os mais parrudos, colocou numa sacolinha plástica e foi para o calçadão da Barra andar com a esposa. Ao chegar no Morro do Cristo, na tenda de dona Tássia, lá estava o galo ciscando e a vendedora a postos.

   - Bom dia, Flor do Amanhã, gostaríamos de dois cocos por favor. 

   A vendedora abriu os cocos enquanto Bingo astuciava e cubava o casal. 

   Vence falou: - Vamos sentar nessas cadeiras aqui perto do galo pois trouxe dois pães de milho para ele. 

   Bingo ficou todo animado esperando o mimo. Fome não lhe faltava. Até aquela hora do dia só havia comido uns ramos de folhas.

  Vence tirou um dos pães da sacola e deu ao galo colocando o parrudo na grama ao lado de uma vasilha de água. 

   Bingo se fartou. Encheu o papo. E, como retribuição para uma Vice incrédula estufou o peito de satisfação e cantou um trecho de Carinhoso, de Pixinguinha: Meu coração/ Não sei porque/ Bate Feliz/ Quando te vê.

  O casal foi ao delírio. 

   - Esse galo é um gênio - comentou Vence para a esposa. Ainda hoje ligarei para Zinho da produção do Prosaico.

   O galo despediu-se todo garboso para se acomodar entre as folhagens da encosta. 

   O mar era de viração com ventos fortes soprando da Ondina em direção a Barra. O céu escureceu em minutos e o ronco dos trovões era assustador. Raios começaram a riscar o céu. Vence pagou a conta do consumido, deu o braço direito a madame Vice, e tocou rápido para casa.

   Ela cochichou em seu ouvido: - Depois de ouvir um galo cantar Pixinguinha tudo pode acontecer, até um raio desses cair em nossas cabeças.

   Dona Tássia sorriu dizendo que aquilo era passageiro, sopro de verão, mas Vence apressou o passo para o casal chegar logo em casa.