quinta-feira, 23 de maio de 2019

CRISE NO PAPADO DE FRANCISCO e seu pedido de renúncia

Massimo Franco
28/08/2018 às 10:16
Exigir que a renúncia do papa Francisco tenha coberto casos de pedofilia é mais do que um ataque: tem o sabor de uma provocação que faz parte do violento conflito que ocorre dentro da Igreja Católica. Mas você não pode ignorar os novos recursos:. Agora sob acusação é a mesma papa Um relatório do ex-núncio apostólico em Washington, Carlo Maria Viganò, diz Jorge Mario Bergoglio teria ignorado o abuso sexual de US cardeal Theodore McCarrick, pelo menos junho de 2013.

 Nessa ocasião, foi Viganò quem o informou que o ex-arcebispo de Washington havia cometido esses crimes por décadas. Segundo o núncio, Francisco não teria ouvido as reclamações porque McCarrick havia favorecido sua eleição para o Conclave do lado de fora. Embora em julho ele tenha removido o cardinalato: uma decisão sem precedentes.

O ataque, publicado pelo diário La Verità, lança uma luz perturbadora sobre a nomenklatura do Vaticano. E não é necessário perguntar quão nobres ou insignificantes são os motivos pelos quais são tomados. Viganò é considerado um dos porta-vozes da frente conservadora, hostil a Francesco. Mas a imagem, se confirmada, ainda seria devastadora. O pontífice argentino tentou conter a ira contra a Igreja na Irlanda por casos de pedofilia. O «relatório Viganò» pretende tirar a sua credibilidade.

Para torná-lo insidioso não é tanto o autor, uma figura controversa, mas um profundo conhecedor da Santa Sé. O problema é que a imagem de um Papa insinua o abuso; e inclinado a subestimá-los por razões realpolitik. O eco está se espalhando nos últimos meses no Chile: Bergoglio defendeu bispos que são culpados de abuso sexual, descartando as acusações como "calúnias". Depois, diante da reação do arcebispo de Boston, Patrick O'Malley, ele admitiu que tinha sido mal informado, e abriu uma investigação. E o episcopado chileno renunciou em massa.

No entanto, ficou claro que durante três anos a Congregação para a Doutrina da Fé, liderada até 2017 pelo cardeal Gerhard Muller, relatou em alguns relatos escritos a situação no Chile; e que Bergoglio os teria subestimado, confiando na garantia de alguns cardeais chilenos. Mas a partir do relatório Viganò todo mundo fica um pouco deslegitimado. Angelo Sodano e Tarcisio Bertone, secretários de Estado com João Paulo II e com Bento XVI, são apontados primeiro.

E em cascata aparecem dúzias de altos prelados: uma confirmação de um showdown que vai roer. Além do possível desejo de vingança de um núncio jubilantemente celebrado por Francisco, repete-se o problema da seleção dos eclesiásticos, acusados ​​ou acusados. Há poucas coisas que emergem do relatório: acima de tudo, o papa emérito Bento XVI, que tentou isolar McCarrick, sem poder impor sua vontade ao Vaticano e aos bispos dos EUA. Mas isso, talvez, nos leva a perguntar novamente quais foram as reais razões para a renúncia de Joseph Ratzinger em 2013.