sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Minha Maria sem fumaça do trem de Itabuna ao metrô

Egnaldo Araújo
22/03/2015 às 13:02
Menino morador na roça, por assim dizer,  verdadeiro bicho do mato, com poucos contatos com gente estranha, a não ser em dias de feira, quando acompanhava seo Manezinho Sodré, meu pai e dois burros carregados de frutas para vender em Itabuna,  na feira da rua do canal, ao lado da Estação de Trens eu, apesar de tudo nunca tinha tido, como aconteceu naquele sábado, a oportunidade de ver aquele “monstro” resfolegando a soltar fumaça e, muito menos a ouvir o seu forte piu iiiiiiiií, piu iiiiiiiiii, da Maria Fumaça em movimento chegando no local, vinda de Ilhéus, carregada de tudo o quanto era mercadorias (querosene, sabão, tecidos, gasolina, agulha, linha de costura)  desembarcada no porto, além de grande quantidade de peixes de água salgada para venda no local.  

E lá fiquei eu nos meu oito anos, como que estatelado, imobilizado, com os olhos esbugalhados de susto a observar assombrado aquele espetáculo de outro mundo querendo correr dali e buscar um lugar para me esconder, não fora a mão firme do meu pai a me segurar.
Lá se vão mais de 70 anos: linhas desse tipo de transporte várias foram desativadas nesse nosso Brasil continental, incluindo aí, não só a Estrada de Ferro de Nazaré, como aquela que ligava as cidades de Ilhéus e Itabuna, cujo projeto original era que os trilhos atingissem o alto sertão baiano, mais estancaram na cidade grapiúna.
 
Esta semana fiz minha primeira viagem no Metrô de Salvador, algo assim por dizer como um sonho, numa super nova Maria, sem fumaça, sem nada, com vagões com ar refrigerado, iluminação perfeita numa velocidade incrível, silenciosa, sem resfolegar da sua tataravó,  o antigo rem de ferro, denominado de Maria Fumaça. 

Parece que a vida é assim, vão-se os velhos (eu por exemplo, nos meus 75 anos de idade, logo logo estarei partindo) e vão chegando os novos, não só o homem mecatrônico, mas os super-jatos, os super transatlânticos, e,  claro  trens, que hoje atingem velocidades incríveis, como o Trem de Tóquio, dentre outros meios super modernos de transporte e comunicação.