segunda-feira, 06 de abril de 2020

BRILHANTES COM JAÇAS, a minhoca e o elegante

Valdir Barbosa
24/10/2014 às 10:25
Dia 14 deste mês que ainda flui, folheando o jornal A Tarde vejo que núncio do PT baiano, presidente do desgastado partido, partido em bandas sob tantas denuncias de corrupção, expõe razões replicando palavras minhas registradas naquele diário, assim como ocorreu em prestigiosos blogs, poucos dias depois do sufrágio que fez Rui Costa governador da Bahia. De saída percebo não haver gostado o redator, do titulo de meu artigo: A BAHIA VAI DE COSTA, como diria, A BAHIA VOTA SOUTO, caso fosse diferente o resultado das urnas e escreve: A BAHIA SEGUE EM FRENTE COM O BRASIL.

Naquela manhã caminhei, como sempre e vi plotado, no carrinho do ambulante que me inspira a sigla PT, em letras garrafais. Apertei o passo curioso lendo frase simetricamente colocada: Papa Três. Papa a jato, três por cento de qualquer contrato. 

Obviamente, aquele homem simples mencionava grave escândalo, em manchetes por derradeiro, fruto da delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-Petrobrás. Dita confissão aponta episódio do recebimento de propinas, por integrantes do PT e coligados. 

Na matéria se vê que houve equivoco. O núncio desconhece que sou Delegado de Policia, à disposição de outro órgão, ainda não estou aposentado, mas, me facultou considerar sobre "episódios nebulosos que assustaram a Bahia". Trouxe fato de quase treze anos atrás, naquilo que se denominou “escândalo dos grampos”.
De lá para cá, sempre que interessa, alguém evoca o assunto. Disse-o, em artigo denominado CARIMBADO E RECARIMBADO, OU SÍNDROME DOS BARBOSA, de fácil conhecer nos links respectivos.

Originaram-se então, três processos: administrativo, criminal e de improbidade. No administrativo a comissão, unanimemente, sugere arquivamento; na seguinte, o pretenso mandante foi isentado pela mais alta Corte do País; há um ano, todos os réus foram absolvidos, afora o subscritor e outro implicado. 

Existe ainda, lide que cuida de improbidade envolvendo dezenas de pessoas. Nesta, um dos corréus é o Senador, eleito pelo partido da coligação petista, Vice-Governador atual, contudo, Governador na época em que os "grampos" teriam ocorrido. Certo que o político citado nada sabe sobre o assunto, assim como eu, entretanto foi também parte no “episódio nebuloso”.

Todavia, em nenhum momento estive sob o manto vergonhoso da desonestidade, ao revés do quanto se anuncia, do partido presidido pelo autor da replica. Dizem-no ex-funcionários públicos, doleiros, Dalva, que confessou alimentar na Bahia os cofres do PT, com dinheiro sujo. 

Lembrou-me o núncio piada do tempo acadêmico. Aluno submetido à banca oral, apenas havia estudado sobre minhoca. O ponto sorteado, elefante. Discursou sobre animal enorme, dono de tromba monumental, com rabinho parecendo uma minhoca. Concluiu falando sobre ela, tudo quanto decorara. 

O articulista desconsiderou argumentos de informes da compra de votos, voz corrente no estado. Silenciou sobre noticias dos aviões que teriam conduzido rios de dinheiro, com este fim. Limitou-se, como o aluno relapso, a repetir números reprisados em outros artigos seus tentando mostrar pílula dourada. 

Observem-se ultimas noticias da violência na Bahia, interior e capital; tiroteio em Maragogipe, entre gangues rivais; jovem esfaqueada em plena Piedade, durante um assalto; em Feira, comerciante imolado. 
Nos hospitais de base se circula por dezenas de doentes deitados em macas improvisadas, até no chão dos corredores, retrato da saúde falida. A educação vai de mal a pior, dizem professores, alunos e pais.

Pergunta-se: quanto foi gasto no porto de Mariel em Cuba, e outras obras financiadas pelo dinheiro do povo brasileiro lá fora? Enquanto isto nossos portos, aeroportos, estrada estão sucateados.

Descobri que grande parte das pessoas e instituições por elas formadas são como pedras preciosas. Quanto brutas parecem ser especiais, mas, depois de lapidadas revelam suas jaças. Os mensaleiros, do Congresso, da Petrobrás, do PT e pares, contas de um mesmo colar. À medida que burilados, na crença do povo que lhes deu poder mostraram sua verdadeira face interior, repleta de impurezas. Quem reluzia ética e moral revelou jaças, das quais não se apartam, pois os defeitos emergentes são pedaços indivisíveis de si mesmos.

Quando intitulou, A BAHIA SEGUE EM FRENTE COM O BRASIL, quem sabe o núncio não vaticinou a derrota do PT nas urnas, no próximo domingo.