quarta-feira, 03 de junho de 2020

Limites & palmadas e uma lei em ano de eleições

Valdir Barbosa
26/05/2014 às 17:34
Dia destes conheci piada, obra de um dos nossos maravilhosos cartunistas, que falava do ser desnecessário aplicar aos nascituros brasileiros, pequena palmada capaz de fazê-los chorar por conta do ato. Assim que os infantes sabiam estar nascendo no nosso país, se punham a soluçar copiosamente.

Confesso, não pude conter o riso, mas, a despeito da mensagem clara, em face de tantos fatos obscuros ocorrendo na terra brasilis, prefiro acreditar que nossos bebês virão sempre chorando de felicidade, não por tristeza, medo, ou decepção. Também se chora por ser afortunado e, graças a Deus, a esperança de dias melhores não me abandona.

Neste mesmo período, a C. C. J. da Câmara Federal aprova Lei da Palmada, a ser denominada Menino Bernardo, guri assassinado no Rio Grande do Sul, vitima de injeção letal. Permito-me dizer, mero apelo midiático e oportunista, a denominação, impossível guardar nexo entre a lei votada e o fato lembrado, mesmo apontados como criminosos, seu próprio pai e madrasta.

Nestas linhas, não considero sobre a propriedade, ou não, do diploma aprovado, mas entendo que a incapacidade de impor limites tem sido um grave problema na formação do ser humano hodierno, desde a infância, passando pela adolescência, até chegar à idade adulta.

Note-se Marilyn Wedge, terapeuta familiar citando Pamela Druckerman: “Limites claros, fazem a criança se sentir mais feliz e mais segura, algo que é congruente com a minha própria experiência, como terapeuta e como mãe... ouvir a palavra “não” resgata as crianças da “tirania de seus próprios desejos”. E a palmada, quando usada criteriosamente, não é considerada abuso na França”.

Lembro-me também, da fala de minha Roberta, responsável pelas palmadas que hoje levo, ao me comportar travesso. Comenta sobre tempestividade e critério recomendado a pais de pacientes, na hora dos sins e dos nãos, no necessário desiderato de impor cercas balizadoras aos filhos. “A criança irá sempre questionar na repressão, portanto, é preciso estar embasado, para agir com ares limitadores, pois, embaraçosos porquês vindos das mentes pueris, sem respostas desgastam, comprometendo a referencia”.

Crianças sem limites, jovens sem freios são futuras pessoas que não aceitam disciplina, não compreendem o primado do respeito à hierarquia, pilares indispensáveis ao pleno funcionamento da sociedade. Periga ser indivíduos que, afinal, viajarão na contramão da lei.

Aliás, desejo considerar, justamente, sobre a enxurrada de leis derramada no colo da sociedade, grande parte delas emergindo na onda de um, ou outro caso isolado, capazes, nesse viés, de verdadeiros absurdos. Pior ainda, quando vindas numa esteira de preocupações meramente eleitoreiras e brotadas na efervescência das campanhas políticas, infelizmente revelando interesses menores. No caso específico, a lei agora votada hibernava há anos - dois no mínimo - nas gavetas da C. C. J.

Chama-me atenção, sobretudo, a questão de tantos regulamentos fadados a não ser cumpridos. Desta forma, no meu sentir, apenas se fortalece a madrasta que injeta nas veias onde deveria correr o sangue quente da justiça dinâmica, a toxina cruel da impunidade que mata pela ineficácia. Beccaria, nos idos de 1764, na sua célebre obra, Dos Delitos e das Penas, já inferia com total propriedade. “Não é o rigor da punição que previne o crime, mas, sim, a certeza de que esta punição ocorrerá”.
A palmada recebida, exatos sessenta e dois anos atrás, de Esmeralda, velha parteira do passado, me fez desperto e ativo. Os contra-afagos de D. Walneide e Seu Gomes, mesmo que dor lhes causasse, atribuídos até quando homem cheguei, não transformaram minha vida num poço de recalques.

Ao contrário, nos cuidados de meus queridos pais aprendi a correr nos trilhos do ser correto e justo; permitiram-me ver o norte com clareza; capacitaram-me a criar caminhos iluminados, os quais, decerto, assim se tornaram, por atender seus ensinamentos. 

Não estou a fazer, antecipadamente, apologia ao crime, mas, mesmo sabendo da obsolescência do uso das palmadas nas maternidades, me permito dizer às parteiras e obstetras: não temam ao transgredir, se uma palmadinha leve, leva ao despertar para vida. E aos pais: uma admoestação tempestiva, comedida, repleta de bom senso e autoridade pode evitar o excesso amanhã, de quem não se fez intimidado na hora precisa.

Mamãe, Papai. Que saudade de suas palmadas. Não foram por demais, por isto afirmo: outras tantas, sem dúvida, me ensinariam a errar ainda menos.