sexta-feira, 30 de outubro de 2020

GOVERNO DE CONTINUIDADE NÃO EXISTE

Sócrates Santana
15/01/2011 às 10:01
Foto: Manu Dias
O anúncio de Wagner é esperado pela opinião pública

Não existe governo de continuidade no Brasil.
 
Enquanto o ciclo político brasileiro for intercalado por incipientes intervalos de tempo, os ânimos da esfera pública no país sempre estarão voltados para as urnas. Por isso, volta e meia, a opinião pública é confrontada periodicamente com novos rearranjos das forças, que no âmbito governamental exercitam elasticamente o significado corriqueiro da política: distribuir poder.


Tal qual uma grande cidade, o mundo político e moral no país está minado por caminhos subterrâneos, porões e esgotos. Sobre essas conexões e condições de ocupação ninguém parece refletir ou pensar.
 
É natural que governadores (reeleitos ou não), retardem um pouco mais a composição dos governos, porque, uma peça fora do lugar nem sempre pode ser deslocada ou tão pouco substituída.

O exemplo da administração municipal da capital baiana é o exemplo mais pulsante hoje.


A questão chave, porém, não é que o governante possa fazer o que lhe aprouver. Ninguém pode, por si só, apreender adequadamente tudo que se passa internamente dentro de cada partido, menos ainda do governo. Só se pode visualizar e experimentar um novo governo entendendo-o como algo que é compartilhada por muitas pessoas, percebendo o que está entre elas, que as separa e as une, revelando o que há de diverso em cada uma dessas forças.

De nenhuma forma, isso pode ser encarado como loteamento do Estado. Exercitar o diálogo nessas horas aumenta o lastro dos governos na medida em que muitos atores falam, trocam opiniões e perspectivas em mútua contraposição.


O anúncio do secretariado baiano pelo governador Jaques Wagner vem sendo aguardado ansiosamente pela esfera pública.

É preciso, contudo, enfrentar pressões, livrar-se, até mesmo, de aliados incômodos. Este é o momento de refutar idéias erradas e pôr em prática idéias corretas, embora quase ninguém seja capaz de enxergar isso no momento em que é preciso brigar por elas.

O espaço público da aventura e do empreendimento desapareceu após as eleições. Ao líder exige-se - tão somente - a capacidade de iniciar uma nova jornada e buscar companheiros para ajudá-lo a realizá-la.


Wagner não deve temer reiniciar novamente ações de governo todas as manhãs, todos os dias, ao longo de todo o mandato. Mas, prever as dificuldades para as quais os melhores intelectuais não tem resposta consagrada, diante das quais os assessores também se revelam inseguros e divididos, é uma tarefa que cabe exclusivamente ao
governador.


*
Sócrates Santana é jornalista.