quinta-feira, 26 de novembro de 2020

"STELA", UM FILME LINDÍSSIMO

Diogo Berni
13/09/2009 às 20:23
, um filme lindíssimo, suave. Me fez estar em Paris novamente. Conta a estória de uma garota de doze anos, filha de argentinos, e com sangue caliente, obviamente. Imagine então a mistura do sangue caliente de nossos hermanos e o "não levar desaforo pra casa" dos franceses?
 
Era assim a apaixonante Stella, uma menina pobre que tinha uma avó puta, uma mãe depressiva, garçonete e "dada" aos clientes, ou seja, uma quase puta como a avó, e um pai "fraco", como dizia sua mãe, viciado em carteado. Nesse ambiente Stella só tinha uma saída: A Escola que freqüentava.

E teve a sorte de freqüentar uma boa e conhecer uma amiga "de um mundo diferente", da qual lhe fez ver a vida com um fio de esperança que até então não tinha, no bar onde morava com seus pais.

O filme narra à trajetória das fases que uma menina passa até chegar a adolescência, com suas descobertas, medos e aventuras. Outro bem bacana também que pega esse mesmo tema é o Entre os muros da escola, que mostra a tão difícil missão de alunos e professores e conviverem a muitas culturas de todas as partes do mundo que se encontram nos subúrbios da capital francesa.
 
Uma coisa que me chamou atenção nesses dois filmes franceses, é que no final do ano quando os conselhos de classe julgam os alunos para serem aprovados ou reprovados, existem representantes das classes nesses conselhos de classe, eleitos pelos próprios alunos para defenderem os direitos deles. Achei isso sensacional, o lema do país: Igualité, fraternité, liberté é realmente colocado em prática.

Nosso presidente, sempre fala que a esperança de um país necessariamente passa pela educação, e países como as Coreias, a Europa quase toda, Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, enfim quase o mundo todo comprovam a tese da educação, mas a longo prazo, talvez a trinta, quarenta anos ou mais em alguns casos como Brasil e México.

É por isso que ano que vem vou mudar, vou ser verde, vou votar na Marina, pois merda por merda, que seja uma merda nova, mas com uma pontinha de esperança, pois existe a sensibilidade feminina na parada, ainda! Falando grego, não vá! Olha, é difícil falar com tanta certeza, mas tenho no que vou escrever: Acabo de assistir ao pior filme que já assisti.

Trata-se de Falando grego, uma continuação de Casamento grego. Sem condições até pra escrever algo dele, de tão ruim. A única coisa que se salva, e bem mal, porque eles cortavam muito a imagem, eram os pontos turísticos da Grécia. Merda total, besteirol sem graça nenhuma, péssimos atores, não vá, é esparro total!