quinta-feira, 26 de novembro de 2020

FALTA DE INVESTIMENTOS DEIXA BAHIA EM SEGUNDO PLANO

Sérgio Furquim
28/08/2009 às 11:00
Foto: Divulgação
Sérgio Furquim é diretor de assuntos econômicos do IAF
 A falta de investimentos públicos em infra-estrutura e atividades produtivas poderá, em médio prazo, levar a economia do estado da Bahia a um colapso, quem afirma é Sérgio Furquim, diretor de assuntos econômicos do IAF - Instituto dos Auditores Fiscais da Bahia, com exclusividade ao Bahia Já. A avaliação baseia-se em uma análise comparativa entre os investimentos estatais que vem sendo realizados em outras unidades da Federação e os seus reflexos na economia baiana.

Segundo Furquim, a falta de grandes projetos e a ausência de um plano de investimentos compatível com a importância da Bahia no panorama nacional coloca em risco até mesmo a sua condição de liderança econômica na Região Nordeste. O desabafo foi dado depois de que o sindicalista tomou conhecimento do corte de R$ 184 milhões em recursos oriundos das emendas da bancada baiana ao orçamento da União.


Na opinião do diretor de Assuntos Econômicos do IAF, o tratamento destinado pelo Governo Federal a estados como Pernambuco, Maranhão e o Rio de Janeiro, especialmente na indústria petroquímica, revela o desprestígio da Bahia na captação de investimentos públicos capazes de incrementarem a economia, assim como foi o Pólo Petroquímico de Camaçari na década de 70.


O sindicalista citou como exemplo, o anúncio divulgado na última quinta-feira pela Petrobrás, da reavaliação dos investimentos destinados à construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, cujo orçamento original de US$ 4 bilhões foi reajustado em 200%, chegando agora aos números iniciais de US$ 12 bilhões, os quais, somados ao investimento de US$ 20 bilhões destinados à construção do Complexo Industrial e Portuário de Suape - que além da refinaria compreende um parque petroquímico, um porto de alta profundidade e terá mais de 96 novas empresas - será capaz de gerar mais de 260 mil empregos diretos e indiretos para o estado.


Aliás, não somente Pernambuco passará a ameaçar a liderança da Bahia no Nordeste, mas também o estado do Maranhão, que até 2011 passará a abrigar uma refinaria premium que deverá consumir investimentos de mais de R$ 40 bilhões, e gerará mais de 42 mil empregos diretos na sua construção.

A Refinaria Premium de Bacabeira, que será integrada a um moderno pólo petroquímico e ao Porto de Itaqui, a menos de 60 Km da capital São Luiz, e deverá gerar receitas tributárias superiores a R$ 2,5 bilhões  anuais para o Maranhão e vem se somar aos investimentos de R$ 3,8 bilhões que serão usados para a construção da Usina de Estreito, no meio do Rio Tocantins.


Para Furquim, a falta de infra-estrutura e planejamento vem fazendo com que a Bahia perca inúmeros investimentos privados para outros estados, a exemplo da nova unidade da Suzano Celulose e Papel, que pretende consumir R$ 3 bilhões até o ano de 2013 e a Aciaria da Gusa Nordeste S/A, com investimentos iniciais de R$ 300 milhões apenas na primeira fase, ambas no Maranhão.


Também o estado do Ceará segue em frente, com um expressivo programa de investimentos públicos e privados, tais como o Parque Eólico de Praias de Parajuru na área de geração de energia e uma eficiente política de desenvolvimento do turismo da região, com investimentos de mais de R$ 350 milhões com recursos do Prodetur, mas nenhum outro investimento público coloca a economia baiana tão em cheque, como os destinados pela Petrobrás ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, onde pretende investir R$ 77,1 bilhões, segundo dados do relatório Decisão Rio 2010/2013 da Federação das Industrias do Rio de Janeiro, e provocará uma defasagem técnica ainda maior do Pólo Petroquímico de Camaçari, em razão da falta de recursos destinados para sua modernização.


Para Sérgio Furquim o momento é de reflexão, pois a Bahia não pode ficar excluída de todo o "boom" de investimentos que precede a exploração de petróleo na camada do pré-sal. Não podemos ficar alheios à nova realidade que envolve a petro-indústria brasileira, o nosso parque petroquímico foi montado quando a produção diária do Brasil não chegava a 200 mil barris diários, logo estaremos produzindo bem mais de 2 milhões de barris diários, caso não haja novos investimentos nossa industria ficará defasada, com a conseqüente perda de competitividade e, principalmente, perda de arrecadação, disse Furquim, que prometeu retornar  este assunto ao Bahia Já.