ter?a-feira, 18 de dezembro de 2018
Tecnologia

BAHIA JÁ chega aos 12 anos de vida como cactus que floresce em pedras

Muitos dos que se acham poderosos, hoje, os pavões; amanhã, serão espanadores
Tasso Franco , da redação em Salvador | 01/01/2018 às 12:56
Jornalista Tasso Franco, na redação 2, em casa e seus 6 heterônimos
Foto: OG
   O Bahia Já chega aos 12 anos de existência em meados de 2018. Luta permanente e árdura no cumprimento de nossa linha editorial de fazer jornalismo sem submissão, sem ficarmos atrelados a esse ou aquele segmento de poder, dando espaço a todas as pessoas e instituições, preservando o mais sagrado da comunicação que é a noticia em sua forma plena.

   Nos primeiros seis anos do site adotamos o slogan de "Jornalismo de Conteúdo" exatamente para nos diferenciarmos dos outros veículos da web, isso em 2006, abordando as notícias mais relevantes de forma intrepretativa, opinativa, respeitando os princípios básicos da ética, sem agressões, sem opiniões radicais, permitindo o contraditório das partes. 

   Desde o inicio tivemos um grupo de colaboradores fixos no site, alguns remunerados, e colaboradores avulsos dos mais diferentes segmentos da sociedade - da politica, do meio universitário, da cultura, da religião, etc - e isso marcou a nossa primeira fase da caminhada. ZéBarrêtodeJesus e Otto Freitas estão conosco desde os primórdios, em esporte e vida de gordo. Estiveram Graciliano Bonfim (direito) e César Rasec (música) e Marivaldo Filho, Carlos Prates e Antonio Martins (conselheiro).

   Há 5 anos, mantendo o conteúdo opinativo como nosso forte, evoluimos para o "Jornalismo da Igualdade" uma vez que estamos situados em Salvador, uma cidade que tem 80% de sua população negro-mestiça, matrilínea afro, e o racismo institucional está enraizado em nossa cultura. 

   Ademais, os debates sobre este tema, o racismo em sí, quando não muito apaixonados, giram em torno de um mesmo círculo sem se expairar pela sociedade, incluindo aí a ausência dos debates nas universidades.

   Em encontros informais com integrantes do Olodum, donde sou conselheiro, e com João Jorge Rodrigues, chegamos a conclusão que a Igualdade estava acima das questões primordiais do racismo e esse seria o tema a ser debatido pela sociedade. 

   Daí que o adotamos esse lema e demos a nossa constribuição. Entre os nossos colaboradores estão o próprio João Jorge, Sérgio São Bernardo, Fernando Conceição, Milton Cedraz, Marcelo Gentil, Durval França, Walmir Rosário, entre outros.

   Agora, em 2018, com a sociedade mais esclarecida, com os avanços da internet e do compartilhamento, vamos adotar o "Jornalismo da Integração", do abraçar, dividir. Será o nosso novo lema sem desprezar a igualdade e o conteúdo, sempre destaques permanentes.

   Temos ainda como colaboradores Limiro Besnosik, Leo Araújo, Diogo Berni (cinema), Mauricio Ferreira (vinho), Nara Franco (crônicas de Copacabana e reportagem geral), Jolivaldo Freitas (crônicas), Mauricio Matos (música em cena) e Tasso Franco como comentarista de politica (TF) e com os heterônimos Lobisomem de Serrinha (causos), Rasta do Pelô (crônicas), Rosa de Lima (literatura), Dom Franquito (a boa mesa) e Agapito (Cantinhos da Bahia).

   Agradecemos em especial a nossos colaboradores comerciais mais antigos, o Instituto dos Auditores Fiscais (IAF) e a Santa Casa de Misericórdia da Bahia (duas instituições privadas) e a Câmara de Vereadores de Salvador e Assembleia Legislativa do Estado (duas instituições públicas).

   A luta é grande. Somos discriminados pelos dois poderes públicos mais poderos da Bahia, mas, não reclamamos. Como diria o jornalista Jânio Rego florescemos como cactus nas pedras. 

   Vamos seguir em frente e não saberia dizer até quando, pois, aproximando-me da idade de 73 janeiros e 50 anos de jornalismo, iniciados na Panorama e no Jornal da Bahia, em 1968, estarei à frente desse site até quando minhas forças físicas e mentais aguentarem. 

   É a vida, tudo um dia que é sólido se desmancha no ar, profetizou Marshall Berman. Os veículos de comunicação onde comecei, o Jornal da Bahia, de João Falcão; e a Revista Panorama, de Hélio Teixeira, integram o plano da história. Não só estes. Mas, também, o JB e o DN da Carlos Gomes. Isso sem falar nos alternativos e comunitários.

   Bahia Já - Jornalismo da Integração, 12 anos, o cactus resiste. (TF)