quinta-feira, 16 de agosto de 2018
Saúde

Mulher morre após cirurgia plástica e caso vai parar na polícia

Mulher morre após cirurgia plástica e caso vai parar na polícia
NF , RJ | 15/05/2018 às 07:23
Edléia Ferreira
Foto:
Edléia Daniele Ferreira Lira, 33 anos morreu nesse domingo (13) depois ter sido submetida a duas cirurgias plásticas, na sexta-feira (11), no Hospital Militar, em Cuiabá. O hospital informou que alugou o centro cirúrgico para a equipe médica fazer cirurgia e que, mesmo não sendo de responsabilidade da unidade de saúde, foi dada a assistência necessária para a paciente.

A família registrou uma denúncia na Polícia Civil. Segundo a polícia, a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) vai investigar as circunstâncias da morte.

Conforme relato de uma amiga da vítima, Edléia Daniele teve conhecimento do médico que fez a cirurgia plástica por meio de um grupo no Facebook, cuja proposta é oferecer cirurgias plásticas a preços bem abaixo dos praticados no mercado.

As cirurgias de lipoescultura e mamoplastia, na sexta-feira, tiveram o custo de R$ 6 mil.

Depois dos procedimentos, quando já estava no quarto e consciente, segundo a amiga, ela começou a reclamar de dores e formigamentos nas pernas, ficou sonolenta e teve parada cardíaca.

A companheira dela, que a acompanhava no pós-operatório, pediu socorro. "Houve demora na reanimação, porque lá (no hospital) não tem UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e ela teve de ser transferida para outro hospital, onde fizeram de um tudo para reanimá-la", contou Laíza.

Conforme a amiga, poucas pessoas sabiam da cirurgia. "Ela não quis ficar comentando, possivelmente, porque temia que as pessoas a criticassem, mas estava feliz", disse.

De acordo com a Polícia Civil, familiares relataram que após a cirurgia de mamoplastia redutora e lipoaspiração verificaram sangramentos nas costas da paciente e que os dedos estavam muito brancos. Após pedirem socorro, foram realizados diversos procedimentos de emergência por enfermeiros como uso de desfibrilador, bomba manual de oxigênio e adrenalina, e que o médico apareceu após uma hora da ocorrência de urgência.

À polícia, a família informou que a paciente foi encaminhada para outra unidade médica, após pagamento de cheque calção no valor de R$ 17,5 mil