quarta-feira, 26 de junho de 2019
Colunistas / Filosofia Popular
Rasta do Pelô

ESPOSA do RASTA queria ir a Dança dos Famosos mas só conseguiu Neto LX

Rasta do Pelô pede conselho a Badu, o intelectual de bigode, mas não teve sucesso em ajudar a esposa
01/09/2014 às 14:56
 ​Estava arrumando minha sacola de toucas para vender no Pelourinho e só tô ouvindo Dona Céu, minha santíssima esposa conversando com sua amiga Tati do Pão informando que tinha entrado na onda do "detorex", uma tal de dieta de desopilação do intestino para deixar a barriga sarada, que iria adotar o "detorex" nos cabelos e nas unhas e eu fui ficando encucado, até pra saber que diabo era isso, e só me alarmei de fato mais preocupante quando ela disse pra sua vizinha que o objetivo de tal regime, se é que isso se chama assim, era participar da Dança dos Famosos no Faustão. 

   Aí não aguentei tal ousadia e me meti na conversa assim que ela desligou o telefone e passou por mim na sala alisando os cabelos. 

   - Que maluquice é esse de "detorex" para participar da Dança dos Famosos! Por acaso você tá pirando, aqulio alí é pra artista global e, pelo que sei suas chances são zero, comentei.

   - Primeiro quero lhe dizer que a dieta da detoxificação que estou fazendo - quase não sai a palavra de sua boca - se chama detox e não detorex cabeçudo. Atualize-se. Vá ao Google e entenda como esse processo dinamiza o metabolismo acelerando o gastro calórico. Depois, minha chance de participar da Dança dos Famosos do Faustão não é nada zero e estou me preparando para isso - respondeu.

   - Eu heim! com tanto palavreado difícil, no máximo, o que você pode ir - com todo respeito a sua pessoa - é pra segundo gorda do Wet'n com Xandy do Harmonia e veja lá, no gargarejo do palco - respondi.

   - Tá por fora. Tou mexendo nos meus pauzinhos. Agora tenho uma amiga na Assembleia, Zita da Moto, mais emergente do que eu, que está fazendo uns contatos com um deputado de Brasília, o qual tem ligações globais. Daí que, pra eu chegar no palco do Fuastão vai ser um pulo.

   - Vai ser um salto de canguru. Você já viu deputado ter força prum negócio desses. Depois, quando apresentarem seu nome, seu curriculo, Faustão vai dar é risadas - adverti.

   - Sou uma emergente refinada da classe C, esqueceu! Você também dizia que eu não saberia tomar um Malbec e hoje aprecio dos melhores. Dizia que eu nunca falaria meia dúzia de palavras em francês e hoje já falo muitas frases e penso até em ir para Paris me aperfeiçoar! Dizia que nunca teria um Louboutin e já tenho meu par do último modelo. Portanto, não me depreci que vou chegar lá. Tou usando é Shira!, sacou.

   - Daqui a pouco você com essa mania de grandeza vai entrar é no PIB vermelho como o ministro Manteiga, sorri.

   - Que Manteiga! O nome do homem é Mantega. Meu PIB tá é em alta e agora vou em direção ao Lady Lú para Andrea fazer meu detox nas unhas.

   E la se foi a mulher cheia de razão para o salão de Andréa e eu pra a Ladeira do Pelô vender minhas toucas. No ônibus entre nossa casa na Caixa D'Água e o centro histórico de Salvador fui matutanto e entendendo que, Dona Céu, no fundo, poderia não alcançar seus objetivos, mas, pelo menos pensava grande, pensava alto.  Eu é que ficava marcando passo vendendo toucas e tocando tanmborim. Mas, a vida como ela é, pensava. 

   De toda sorte, já depois do meu expediente, sentado na Cantina da Lua tomando uma bramosa comentei com a garçonete Márcia Dendê o desejo da mulher e resolvi ligar pra meu conselheiro Badu, o intelectual de bigode, o qual hoje reside em Brasília.

   - Que loucura - falei pr Badu - a mulher diz que vai participar da Dança dos Famosos do Faustão - já falei sorrindo.

   - É compadre esse aí é um desafio e tanto porque alí é um grupo fechado, como o nome diz só tem gente pra lá de famosa, e pelo que sei, dona Dona Céu não tem esses predicados ainda que dance muito bem - respondeu.

   - Diz ela que está mexendo aí por Brasília com um deputado pra arranjar uma vaga lá No Faustão, mas, nem sei que deputado é esse.

   - No Faustão não tem deputado certo. O negócio lá é audiência, Ibope, e salvo se ela conseguisse fazer um par com aquele camarada da propaganda do Friboi, aí ia ser sucesso.

   - Rapaz! a mulher nem sabe o que é Friboi. Só compra carne de segunda aqui no açougue de Sêo Miro, você faz-me é dar risadas.

   - Tentar não custa nada. Estamos em ano eleitoral e deputado dá nó em pingo d'água para conseguir votos. Se ela prometer muitos votos por aí, pode ser.

   - Que votos! Aqui em casa só tem meu voto e o dela e cada qual vota num deputado. E cada ente vota num candidato a presidente. Até minha sogra, que votava com a gente, a nosso pedido, diz que neste 2014 nem peça que ela vai votar na beata. Então, por aí ela tá é ferrada.

   - Nada. faça promessa pro cara. Promete um caminhão de votos. Usa a mesma estratégia dos politicos: prometer, prometer sempre e mais a cada dia, ensinou Badu já ensaiando um discurso.

   - Não tem sentido isso que você está sugerindo - arqui.

   - Desistir jamais. Vê o Ismael e o bigodudo tão prometendo mundos e fundos.
 - Mas esses caras não vão a lugar algum, respondi afirmando que, por esse conselho aí, Dona Céu, poderia no máximo participar da sexta do Olodum na Praça Pedro Archanjo.

   Desliguei o telefone fui pra casa pensando o que falar a esposa. Ao chegar, encontrei dona Céu toda bonita, sapato alto vermelho nas alturas, bico pintado, brinco folha seca nas orelhas, um charme. 

   - Hum! Você está uma deusa, elogiei. Conversei com Badu, também mexi nos meus pauzinhos, falei com o pessoal do Correio e posso lhe garantir que pra Dança dos Famosos não consegui nada, mas, pro baile do Neto LX pagode ostentação do melhor garanti dois convites. E ainda ganhei esse CD aqui.

   - A mulher azedeou. Meu amigo, minha nobre leitora, se eu não corresse e me trancasse no quarto poderia ter levando uma sapatada  e olhe que não seria nada bom porque o vermelho tinha salto agulha de 20 centímetros. Era sangue na certa.