quinta-feira, 27 de junho de 2019
Política

Câmara concede Título de Cidadão de Salvador ao médico José Américo

Honraria foi entregue em sessão solene requerida e dirigida pelo vereador Atanázio Júlio
Da Redação , Salvador | 12/06/2019 às 11:01
Médico José Américo Pontes é homenageado
Foto: CMS


Natural de Aracaju/SE, o médico pediatra José Américo Silva Fontes foi homenageado pela Câmara Municipal com o Título de Cidadão de Salvador. O vereador Atanázio Júlio propôs a outorga da honraria, uma das mais importantes da Casa. O título foi concedido em sessão solene, na noite desta terça-feira (11), no Plenário Cosme de Farias.

“José Américo Fontes é mais do que médico. Ele é cientista, escritor e conhecedor do Direito, com formação na Ucsal”, frisou o vereador Atanázio Júlio. O autor do projeto de resolução que possibilitou a homenagem também lembrou que o pediatra trabalhou na Sagrada Família, onde inventou vários equipamentos médicos.

“Aos 70 anos de idade, José Américo desejou ser Bacharel em Direito, atendendo o desejo de seu pai”, lembrou Atanázio. O vereador afirmou ainda que, em seis mandatos, só propôs três homenagens, “criando critérios para conceder este título”. “José Américo é um iluminado e merecedor da homenagem da Câmara”, assegurou.

Antes da entrega do Título de Cidadão de Salvador, foi exibido um vídeo do Programa Fantástico mostrando alguns dos inventos do pediatra José Américo, no Hospital da Sagrada Família, e com o depoimento de Irmã Dulce.

Honraria

Os filhos do homenageado, Cristiane e Carlos Firpo Fontes entregaram o Título de Cidadão de Salvador. Já com a “nova certidão de nascimento” outorgada pela Câmara, o médico José Américo iniciou o seu discurso de agradecimento citando um poema autoral que diz: “O sonho do direito só o dever realiza / Não há oceano de direitos em desertos de deveres”. Daí ele completou afirmando que sempre cumpriu feliz o dever de médico cidadão.

Com emoção, falou da “queridíssima esposa Maria Julieta Mandarino Firpo Pontes”, com quem vive há 44 anos. Também citou amigos e o irmão Augusto, representando os demais familiares.

Ainda em seu discurso, informou que o pai queria que ele se formasse em Direito, mas o desejo foi frustrado após viver dois sonhos proféticos. “Previ com clareza e detalhes as mortes precoces de meu tio Francisco e, dez anos após, a de meu irmão Neonato Chiquinho. Por isso sou médico e estou aqui”, relatou. A história foi narrada no e-Book “O Zé qualquer”, publicado pela Amazon.

A dívida contraída com o pai fez o homenageado ingressar na área jurídica. Formou-se em Direito, especializou-se em Direito Médico Hospitalar e concluiu mestrado em Família, na Ucsal.

Como médico, nas suas contas, na condição de pediatra e neonatologista, prestou assistência “a mais de 500 mil crianças em 60 anos de labor árduo e ininterrupto”.

O homenageado também inventou mais de 50 aparelhos neonatais de baixo custo que foram doados aos hospitais onde atuou. Também formado em radiodifusão, apresentou programas instrutivos em rádios e televisões. Seu lema de vida é fundamento em três pilares: “humanizar, prevenir e simplificar”.

Encerrou o seu discurso sugerindo: “Ame muito os seus amigos, mas nutra um particular carinho pelos seus opositores, porque são eles, em realidade, os grandes responsáveis pelo seu crescimento profissional e humano”.

Compuseram a mesa de trabalho o escritor Cícero Sena Neto, presidente da Academia de Letras do Brasil, seccional Porto Seguro; a escritora Phill Moreno, integrante da Academia de Letras do Brasil, seccional Bahia; o professor Geraldo Leite, da Escola de Medicina da Bahia; a senhora Maria Julieta, esposa do homenageado; o senhor Augusto Fonte, seu irmão; o médico José Abelardo Menezes, representando o Cremeb; e a amiga Eunice Andrade Fernandes.