segunda-feira, 11 de dezembro de 2017
Política

CÂMARA muda nome da Av Paralela e esquece Rua Chile e o Largo do Pelô

Mudar o nome da Rua Chile para o seu original é um dever da Câmara de Vereadores
Tasso Franco , da redação em Salvador | 06/12/2017 às 09:47
Um absurdo o Largo do Pelô se chamar José de Alencar
Foto: BJÁ
   A Câmara Municipal aprovou, em sessão ordinária na tarde de terça-feira (5), 98 proposições consideradas não polêmicas de autoria dos vereadores de Salvador. Entre as matérias referendadas no Plenário Cosme de Farias, o Projeto de Lei nº 527/17, de autoria do vereador J. Carlos Filho (SD), que altera de “Luís Viana” para “Luís Viana Filho” o nome da Avenida Paralela. 

   O autor da proposta, que revoga o Artigo 1º da Lei 2.247, de 5 de junho de 1970, explicou a intenção da proposição. “À época, a ideia era homenagear o então governador da Bahia, Luís Viana Filho. 

   Equivocadamente, seu pai foi o homenageado. É uma justiça social que essa Casa faz para uma pessoa que muito contribuiu para a história social, política e economia”, afirmou J. Carlos Filho.

   Para o presidente do Poder Legislativo, vereador Leo Prates (DEM), “a Câmara corrige um erro histórico” ao aprovar o projeto de lei do vereador J. Carlos Filho.

  Entre as 98 propostas aprovadas em plenário, foram oito projetos de lei, 49 indicações, nove resoluções, 27 moções e cinco requerimentos.

   COMENTÁRIO DO BAHIA JÁ

   Na matéria da Câmara há uma informação (está sim, equivocada) dando conta de que o nome Luis Viana dado à Av Paralela fora "equivocadamente". Nada disso. 

   Segundo relatos da época, o prefeito ACM ao concluir a obra procurou o então o governador Luis Viana Filho, o primeiro nomeado pelos militares pós Lomanto Júnior (1967/1970) e sugeriu que daria à nova avenida o nome do governador.

   Luis Viana Filho então ponderou a ACM que, ele estava vivo e seria deselegante colocar seu nome na avenida, propondo que se assim quisesse homenagear a familia Viana colocasse o nome do seu pai, Luis Viana, o qual também tinha sido governador da Bahia no final do século XIX.

   E assim foi feito. Na época, comentou-se que ACM queria agradar Luis Viana Filho, governador poderoso junto aos militares, para que também endossasse seu nome a governador substituindo-o, em 1971, como de fato ocorreu. Evidente que outros fatores pesaram na escolha de ACM, entre eles, a gestão eficaz na Prefeitura de Salvador.

   De toda sorte, a mudança do nome da avenida vale. 

   Agora, já que o vereador J. Carlos Filho e o presidente da Casa, Leo Prates, estão interessados neste assunto que mexe com a cultura local deveriam retornar o nome original da Rua Chile, a Direita do Palácio ou dos Mercadores, a mais antiga da cidade e que mudou para Chile tem pouco mais de 100 anos. Esse é que é o grande absurdo da cidade.

   Quer outro? A praça do Pelourinho chama-se José de Alencar, segundo Abdias do Nascimento, o escritor notoriamente racista e que, quando ministro da Justiça, defendeu a escravidão. Seria mais do que oportuno mudar esse nome para Largo do Pelô ou algo que fosse representativo do espaço.
Existem vários outros casos, mas, por enquanto, vamos ficar com esses dois.