quinta-feira, 18 de julho de 2019
Colunistas / Tempo de Vinho
Maurício Ferreira

MESA AO VIVO do Sheraton, um show

*Maurício Ferreira é bacharel em direito, sommelier profissional e colaborador do Bahia Já, onde assina a coluna Tempo de Vinho.
17/05/2016 às 21:46
   Nos dias 09 a 11 de maio, Salvador foi palco de um dos maiores eventos enogastronômicos da atualidade, a segunda edição do Mesa ao Vivo Bahia, promovido pela revista Prazeres da Mesa, com o apoio da Secretaria do Turismo do Governo do Estado e do Sheraton da Bahia Hotel Salvador.

   O evento que contou com a presença de renomados chefs de cozinha, teve este ano como tema “Os Biomas da Bahia – Tradições Revisitadas, Técnicas Populares e Produtos Regionais”, expressão usada para definir a releitura de clássicos da culinária baiana e exóticas criações dos cozinheiros convidados (Chefs de Cuisine, melhor dizendo).

    Escondidinho de fumeiro ao pesto do Recôncavo; desconstrução de muqueca de peixe e aracanguira com vinagrete de rala coco, folha de umbu-cajá e crispy de farinha de mandioca, são apenas alguns dos
pratos que foram apresentados durante as atividades ocorridas nos salões do Sheraton Hotel da Bahia.

   Alex Atala, Beto Pimentel, Edinho Engel e Tereza Paim, foram apenas alguns dos nomes que comandaram aulas-show para dezenas de apaixonados por gastronomia, cozinheiros profissionais e estudantes, ávidos por aprimorar técnicas e conhecimentos na área.

   Aliás, há muito que o ato de cozinhar vem ocupando um lugar nobre na vida das pessoas, que hoje se permitem a incursões culinárias para homenagear convidados, com pratos, quase sempre, elaborados por elas mesmas, no melhor estilo “chef de casa”.

   A coluna Tempo de Vinho do www.bahiaja.com.br esteve presente ao Jantar Magno realizado no dia 11, no belíssimo Restaurante Genaro de Carvalho do Hotel Sheraton (antigo Hotel da Bahia), onde teve a oportunidade de degustar os vinhos selecionados para harmonizar com pratos preparados pelos
Chefs Leandro Strattmann (Salvador), Ivo Loureiro (Portugal), Ana Luiza Trajano (São Paulo), Fabricio Lemos (Salvador), Pedro de Artagão (Rio de Janeiro) e Rafael Ferreira.

   Vamos às taças:

   Vallontano Brut, produzido pela Vallontano, Vale dos Vinhedos, desenvolvido pelo talentoso enólogo Luiz Zanini, é um espumante feito pelo método Charmat, com as castas Chardonnay (75%) e Pinot Noir (25%), as mesmas do tradicional Champagne. Com características simples, bastante agradável ao paladar, repleto de notas cítricas e boa acidez, é ideal para acompanhar entradas e pratos à base de frutos do mar. 

   Infelizmente, deixou a desejar diante de pratos intensos como o “dueto de salmão e robalo com ar de
wasabi, azeite de gengibre e caviar de teriyaki, com ares de cozinha molecular, preparado pelo chef Lendro Strattmann ou a fritada de polvo revuelto de gambas (camarão), minunciosamente elaborado pelo chef português Ivo Loureiro, que se sobrepuseram à pouca persistência e a escassa perlage da bebida. 

   Curiosamente, a delicadeza do espumante gaúcho se mostrou bastante adequada ao camarão
crocante com creme de bobó, da chef paulista Ana Luiza Trajano, que sem ingredientes tão marcantes como o sal negro e o wasabi, combinou perfeitamente com o vinho de Bento Gonçalves.

   Carmen Gran Reserva Chardonnay 2013, produzido pela chilena Viña Carmen com uvas oriundas da fria região de Casablanca a 100 km de Santiago, é um típico Chardonnay Chileno, bem estruturado, de coloração límpida e bastante aromático, com enorme riqueza de notas de abacaxi, frutas tropicais e outras decorrentes da fermentação malolática em barril de carvalho, tais como baunilha, manteiga e mel. 
  
   Imponente e com excelente acidez, foi perfeito com o Peixe do Mar ao molho de moqueca, com banana da terra, palmito grelhado, beiju de massa e brunoise de vegetais do sertão, do chef Fabricio Lemos, do restaurante Amado. A tradicional moqueca de badejo harmonizou perfeitamente cm o Chardonnay, ora por contraste, desafiando o intenso sabor do dendê com o final de boca ácido e frutado, ora por similaridade, sempre que despejava suas notas de frutas tropicas ao dulçor da banana da terra e ao
brunoise de vegetais do sertão. Perfeito!

   Viña Bujanda Reserva 2009, produzido pela Viña Bujanda, localizada na Espanha, pelo enólogo Martinez Bujanda, é o típico Tempranillo da região de Rioja, encorpado, intenso, repleto de frutas maduras,
couro, tabaco e madeira. Com grande volume de boca, enfrentou em pé de igualdade o delicioso prato elaborado pelo chef Pedro de Artagão (Rio de Janeiro), uma inusitada Carne assada com farinha de Cruzeiro e conservas, que sutilmente exalava notas de queijos maduros, ingrediente secreto possivelmente utilizado no preparo.

   Lamentavelmente, o fraco serviço dos garçons, completamente despreparados para um jantar harmonizado, quase que colocava tudo a perder, demorando para servir os vinhos, alterando as ordens ou substituindo-os por outros de qualidade inferior (em alguns momentos chegou a ser servido o espumante espanhol Mía da Freixenet, utilizado para o brinde e que não estava programado na harmonização), o que prejudicou a excelência do evento.

   Por fim, foi servido o Gran Feudo Dulce Natural 2009, da Julián Chivite, Espanha, um Muscat de colheita tardia, bastante frutado, com excelente doçura e acidez, rico em notas de manga, maracujá, abricot, flores silvestres brancas, baunilha e mel, combinação perfeita à bela sobremesa elaborada pelo chef Rafael Ferreira do Sheraton Bahia: o belíssimo cogumelo de coco, espuma de chocolate branco e coral de melão.

    Em síntese, o evento foi muito importante, na medida que reforça a posição da Bahia no cenário gastronômico nacional, onde tanto tem se destacado com chefs como Edinho Engel, Beto Pimentel, Fabricio Lemos, Tereza Paim, Vini Figueira, Juan Vidal, Alessandro Narduzzi, Nalva Oliveira e tantos outros, que, vez por outra, poderiam muito bem ocupar o, quase sempre ocioso, Salão Genaro de Carvalho do Sheraton Hotel, em eventos temáticos, que preencheriam a agenda enogastronômica baiana (#ficaadicamarcelo).

    A Revista Prazeres da Mesa (Mariella Lazaretti) e o Sheraton da Bahia (Ian Von Barh) estão de parabéns pela maravilhosa iniciativa, que esperamos tenha vindo para ficar.


     *Maurício Ferreira é bacharel em direito, sommelier profissional e colaborador do Bahia Já, onde assina a coluna Tempo de Vinho.