quarta-feira, 26 de junho de 2019
Colunistas / Causos & Lendas
Lobisomem de Serrinha

LOBISOMEM DE SERRINHA sugere a Playboy fotos com Gracinha Lanzudinha

Iria ser o maior sucesso a nossa representante serrinhense na Playboy
22/08/2013 às 11:42
Depois que uma galinha desceu a rua da Bela Vista com um fecho de lenha nas costas e passou pela Tenda do Teco dando bom dia ao papagaio Duda afirmando que estava levando os ingredientes para fazer a comida do galo Pondé e de suas crias, não me espantei quando soube que um galo de Santaluz, do terreiro de Zé Ailton dos Santos, no distrito de Quebrada, põe ovos, diariamente, alimento que serve ao dono do animal e sua familia.

   Aqui no sertão de meu Deus esses casos acontecem com certa frequência. Na Serra, por exemplo, já tivemos bode com três chifres, gato mamando em peito de cadela, vaca de quatro patas, mula sem cabeça, papagaio devasso, burro zebrado e assim por diante. E quando falo sou igual ao finado radialista Fernando José que ouvia muito na Rádio Sociedade, "mato a cobra e mostro o pau". 

   É público e notório que, em vários jogos entre os times de futebol ACEC x Fluminense quando ainda se jogava no campo do Cemitério, várias partidas foram marcada por Sêo João Devoto, o qual usava sua mula sem cabeça para apitar o jogo. 

   Como estava meio idoso e não podia acompanhar os lances dos jogos de perto, pari-passo, usava sua mula sem cabeça numa boa e o povo já estava acostumado com aquele animal esquisito em campo. 

   Tanto que, certa ocasião, Sindé, que era ponteiro esquerdo do Flu, quis dar um drible da vaca em Carancudo, laterial direito do ACEC, e este não só deu um tranco de ombro em Sindé que quase ele cai no cemitério, sendo amparado por Sêo Shorte, Dr Carlos Seixas e Padreco e socorrido numa maca. Carrancudo, sem prestar atenção ao acontecido, tomou a bola de Sindé deu uma arrancada de cabeça baixa pela direita, sem dar o passe ao meia Paulo Teiú, desejoso de marcar um gol, e acabou atropelando a mula e derrubando Sêo João Devoto, o qual quebrou uma perna e teve que ser socorrido no Posto de Saúde por dr Germano.

   A mula não teve nada. Apenas alguns arranhões e Carrancudo por pouco não marca 1x0 para o ACEC só não o fazendo porque na queda de Devoto o apito foi parar na boca de Paulino Biêta que soprou o dito fazendo com que o lateral esquerdo brecassse.

   Então não vi nada demais nessa história de Zé Ailton, nem muito menos esse cão que foi operado nos EUA por engoliar 17 pedras pequenas, mas, o fato que me chamou a atenção neste agosto do desgosto foi a polêmica em torno dos pelos pubianos de Nanda Costa na Playboy, todo mundo falando que são maiores do que a antiga barba de dom Fidel, isso posto, porque não conhecem a nossa tradição e não vou fazer propaganda de minha familia, de minhas belíssimas filhas, porém, cito que temos uma tia solteira das meninas que se saisse na Playboy aí é que vocês veriam o que é uma Mata Atlântica, uma Mata Amazônica, tal a nossa tradição de lanzudos.
Diria que se a Playboy quiser eu dou o endereço da moça para um contato e garanto que ela cobrará um caché muito menor do que a da senhora Nanda, visto que, sendo professora na Levada, um distrito aqui da Serra, ganha o suficiente para se manter viva, não sendo dada a luxos, não usando bons perfumes, se vestindo com discrição, e mal uma vez por ano frequentando a bica do Jorrinho para tomar um banho de água morna usando um maiô que já está desbotando de tantos anos de uso, mas, que revelam suas belíssimas pernas lanzudas, dando uma idéia do que está por debaixo daqueles panos.

   Então, se a Playboy quiser falo com nosso homem de marketing o popular Carlão para intermediar tais fotos, podendo ser feitas em nossa paisagem local, às margens do açude do Mandacaru, ou na colina da Santa, com a nossa modelo que tem o gracioso nome de Gracinha Lanzudinha mostrando tudo como ela veio ao mundo, suas ancas, suas coxas, seu bafômetro, seus seios olhando para o céu e seus pezinhos de peia, do Botelho.

   Tenho certeza que será o maior sucesso e vai vender mais do que a capa de Vera Fischer, a capa de Claudia Ohana e esta de Nanda Costa. Ademais, se a revista quiser nem precisa trazer maqueadora e estilista porque aqui temos gente de categoria nessas matérias, dona Ana do Salão e a filha de dona Valda da Ema, posto que, será sucesso garantido.