segunda-feira, 26 de junho de 2017
Direito

PAPA FRANCISCO aprova canonização de 30 beatos brasileiros do RGN

Só não anda a canonização da irmã Dulce
Da Redação , Salvador | 20/04/2017 às 19:52
Papa Francisco e aceno ao Brasil
Foto:
O papa Francisco aprovou nesta quinta a canonização de 30 beatos brasileiros que foram massacrados em 1645 nas localidades de Cunhaú e Uruaçu, no Rio Grande do Norte, durante a ocupação holandesa do Nordeste, por se negarem a abjurar da fé católica e aderir ao calvinismo, religião dos invasores. Os futuros santos serão André de Soveral e Ambrósio Francisco Ferro, sacerdotes diocesanos, Mateus Moreira e outros 27 companheiros leigos.

“Ficamos muito felizes, pois esta canonização é uma grande bênção para a Igreja e com certeza vai reavivar a fé e a devoção dos fiéis”, disse o arcebispo de Natal, d. Jaime Vieira Rocha, após receber a notícia da aprovação do papa. Os 30 brasileiros foram beatificados em março de 2000 por João Paulo II. O cardeal d. Cláudio Hummes, que foi arcebispo de Fortaleza, ajudou a levar adiante a causa dos mártires e, no ano passado, confidenciou a d. Jaime que Francisco estava interessado na canonização.

Foram dois massacres coletivos: o primeiro em 15 de julho, em Cunhaú, atualmente município de Canguretama, e o segundo em 3 de outubro, em Uruaçu, hoje município de São Gonçalo do Amarante. Segundo relatos da época, mais de 70 pessoas foram assassinadas, mas a Congregação para as Causas dos Santos reconhece apenas o martírio daqueles cujos nomes são conhecidos.

Em julho e outubro de 1645, soldados holandeses calvinistas assassinaram brutalmente mais de 80 fiéis, 30 deles martirizados, nos chamados Massacres de Cunhaú e Uruaçu, que aconteceram nas atuais cidades de Canguaretama e São Gonçalo do Amarante, ambas no Rio Grande do Norte.

Segundo o arcebispo de Natal, dom Jaime Vieira Rocha, o anúncio oficial da cerimônia de canonização deve ser realizado ainda neste ano na própria capital do Rio Grande do Norte. Além disso, Vieira agradeceu o Pontífice argentino por ter "autorizado a canonização através de um processo tão simples, dispensando os milagres e levando em conta a antiguidade do martírio".

A canonização dos brasileiros será "um momento de renovação espiritual, de revalorização dos valores cidadãos", comentou o arcebispo de uma cidade conhecida pela sua fervorosa religiosidade no País com a maior população católica do mundo.

A cerca de 15 quilômetros de Natal, em uma zona inóspita, os soldados calvinistas também torturaram e assassinaram Estevão Machado de Miranda, dono do povoado de Cunhaú, suas filhas pequenas, e dezenas de outras pessoas. A maioria das mais de 80 vítimas dos dois massacres morreu ao ser trancada pelos holandeses nas igrejas dos povoados, que foram em seguida incendiadas. Entre os 30 mártires, além de Moreira, também estão os padres André de Soveral e Ambrósio Francisco Ferro.