quinta-feira, 22 de agosto de 2019
Colunistas / Cinema
Diogo Berni

THE POST: ode ao jornalismo na guerra do Vietnã

Filme retrata cenas da guerra do Vietnã e o governo Nixon
03/03/2018 às 18:35
The Post - A Guerra Secreta, dirigido por Steven Spielberg, EUA,2018 . Fechando a nossa cobertura Pré-Oscar, o filme a ser analisado tem tudo para ganhar algumas muitas estatuetas importantes, amanhã à noite, na celebração. Como não podia ser diferente: Steven Spielberg  , Tom Hanks e Meryl Streep estão cotadíssimos, como sempre, para ganhar em melhor: direção, ator e atriz, respectivamente. Todavia vamos aos fatos, estes muitas vezes ocultados.

 O filme inicia-se em uma cena de guerra, no Vietnã. Trump aqui é Nixon, também odiado por seu povo pelo apoio a guerra. Um grande jornal: O The New York Times , teve conluio com algum informante do Pentágono, este que dera sérias e importantes informações sobre o desperdício , de vidas e dinheiro, na guerra do Vietnã, esta que, talvez, tenha sido a guerra mais retratada no cinema, justamente por ter envolvido muitos mortos norte-americanos em um longo período de tempo. 

A trama jornalística gira, exatamente, em torno ou a redor disso. Trocando em miúdos: seja o que o Pentágono estivesse escondendo, isso cheirava-se a algo muito ruim. Entretanto voltemos à tentativa do New York Times publicar podres do governo na lembrável guerra, fato este não acontecido devido à inteligência e o FBI. 

Na segunda etapa do filme, vemos agora um “jornalzinho de bairro”: o então The Washington Post, comandado por uma viúva sem muita experiência na área. O jornal tem um negociador, interpretado por Tom Hanks, que coloca em xeque o “jornalzinho”, dizendo que se quisessem crescer que teriam que pensar alto e pra cima, dos concorrentes, óbvio.

 Fato é que as tais informações podres sobre ou a respeito da guerra do Vietnã, chegam, em certo dia iluminado, na mesa de um dos “redatorizinhos” do então jornaleco. A bomba é lida por todos do jornal, mas fica a cargo da dona da empresa, interpretada por Meryl Streep, saber se publicará os podres do governo Nixon, ou não, por medo óbvios de retaliações.

O filme é uma ode ao jornalismo sem o rabo preso e/ou as fakes news, negócio este que gera muito dinheiro, principalmente em campanhas políticas. Quem é jornalista ou aprecia quem é, vai curtir cada cena deste filme que faz bem a democracia desafivelada, ou seja, a imprensa que tem como o “furo” a sua razão de respirar. Ou seja: fazer primeiro e fazer melhor, descortinando ou desconstruindo um mundo de mentiras regado a corrupções dos mais variados tipos e formas.