segunda-feira, 23 de setembro de 2019
Colunistas / Cinema
Diogo Berni

O LOBO ATRÁS DA PORTA, o melhor filme nacional

Enfim trata-se de um filmaço que te instigará do inicio até os créditos finais da produção
11/10/2014 às 11:43
 O Lobo Atrás Da Porta, de Fernando Coimbra, com Milhem Cortaz e Fabiula Nascimento, Brasil, 2014. Não tenho nenhuma dúvida em afirmar que mais um ano a ANCINE erra na escolha do filme nacional para concorrer ao Oscar. 

  Muitos concordam com a tese de que o filme selecionado: Hoje eu quero voltar sozinho, fora uma aposta correta porque de certa forma é uma obra que fala de um adolescente deficiente visual que vai se descobrindo como homossexual; E por isso o filme “seria” uma aposta boa e/ou de "dar pena" para os padrões da careta escola de Hollywood. Discordo totalmente destes argumentos: Temos SEMPRE que levar aos principais festivais internacionais os melhores filmes produzidos no Brasil e não aqueles que tenham temas que possam sensibilizar os jurados desses festivais.

  Antes de tudo o respeito pela qualidade da obra fílmica tem de ser levado em conta, e em O lobo atrás da porta, na minha modesta opinião de crítico e cinéfilo, é que deveria ter sido escolhido como o filme brasileiro para nos representar no premio industrial estadunidense em 2015; Mas como isso não é a primeira vez que acontece, e não será a última também, por “enes” fatores culturais e mercadológicos que a ANCINE julga ser mais importante do que um bom filme; Restam-nos então apenas duas míseras opções; 

  A primeira: Torcer para que o principal órgão regulador do cinema nacional passe por uma urgente atualização no tocante aos seus valores e julgamentos, políticos inclusive ou principalmente;E nossa segunda e última opção seria: Torcer para que os filmes mal escolhidos pelo órgão “queime" nossas línguas e tenha êxito nos festivais que participa; Coisa que acho praticamente pouco provável ou impossível, mas acredite quem quiser, e olha que tem muito otário que está nessa onda de acreditar nos valores e paradigmas intelectuais e administrativos da perdida ANCINE. Escrito o que penso das
pessoas que comandam péssima e incompetentemente a pasta principal do audiovisual brasileiro; Tecerei agora algumas linhas do melhor filme do Brasil em 2014.

   O Lobo Atrás da Porta é um misto de suspense, drama e comédia. Todos os gêneros citados estão embutidos nessa excepcional obra fílmica. A história começa quando uma garotinha de uns seis anos de idade desaparece, fato este que leva a delegacia a mãe da menina para dar queixa do sumiço da garota e posteriormente chega também o pai. De inicio tudo parece muito confuso, porém com um roteiro entendível, ou seja, o desparecimento de uma criança na saída da escola começa a dar pistas do que de fato teria se sucedido. 

  O mistério do filme está basicamente nisso, ou seja, em saber quem teria feito tal maldade com a criança e por que. Fatos se sucedem e algumas possíveis respostas começam a aparecer timidamente de modo que o delegado começa a formar um quebra-cabeça psicológico para desvendar o desaparecimento da garota e saber enfim quem de fato teria culpa “no cartório”. Com o desenrolar do caso, que dura apenas um dia, o “Poliça” acaba descobrindo que o pai da garota sumida tinha um caso com uma garota que tinha idade para ser sua filha. Menina-mulher esta bem interpretada por Leandra Leal, esta que ganhou o prêmio de melhor atriz no último festival do Rio, mas, pois bem, tal amante esconde segredos de uma jovem mulher suburbana carioca sedutora, jovem e bela. 

  E nunca duvidem dessa afirmação: Jamais mexam no útero de uma mulher, caso contrário às consequências podem ser de fato desastrosas. Acho que com tais dicas dadas os senhores (as) podem já ter uma breve noção do que acontece no filme, todavia pararei por aqui para não correr o risco da crítica se transformar num spolier ainda mais escancarado.
Só me permitirei a escrever mais algumas linhas há cerca do genial roteiro do filme que foge dos pontos
turísticos da bela cidade do Rio de Janeiro e foca suas lentes para o lado que a tevê não mostra, que são seus subúrbios, bairros e vilas pobres onde mora a maioria da população. No roteiro, assim como na direção do longa metragem, tudo é muito bem engendrado e as cenas são viscerais a ponto de as vezes imaginarmos que estamos participando delas ou torcendo para que aquela ou aquele outro personagem se dê bem ou mal no final da trama; 

  Enfim trata-se de um filmaço que te instigará do inicio até os créditos finais da produção; Que é quando descobrimos o “ponto X” da meticulosa e genial obra nacional; Por isso mais uma vez reescrevo: Se tem um filme que mereceria concorrer ao Oscar em 2015, esse filme seria o carioca: O Lobo Atrás da Porta; estupendo de bom. Agora o que mais particularmente me incomoda é a pífia bilheteria do filme no Brasil, com somente pouco mais de dezessete mil espectadores. 

  Acho que está na hora do povo brasileiro parar de se alienar com novela e ler e assistir mais filmes como esse, pois somente assim podemos mudar esse país, ou seja, com cultura e educação, caso contrário essa situação nunca mudará, ou melhor, tenho a impressão de que eu é que terei de me mudar daqui para manter meus neurônios “sãos”.