Colunistas / Cinema
Diogo Berni

OLD BOY, um filme com cenas fortes de violência

Godzila: para quem não gosta de cinem
20/06/2014 às 10:42
Old Boy- Dias de vingança, do Spike Lee, EUA, 2013. Aviso aos mais sensíveis que trata-se de um filme com cenas fortes de violência. 

   A história é a seguinte: um publicitário que tinha uma vida aparentemente normal, após uma bebedeira, se vê acordado dentro de um quarto de motel levado por uma “peguete” vendo seu estado latismável que o homem se encontrava deitado na rua em quase um coma alcóolico.

   Todavia o que se pensava que era um quarto de motel, na verdade era um quarto-prisão. Este publicitário então e sem saber o porquê é aprisionado por longos vinte anos nesse quarticúlo, e depois surpreendentemente é solto.

   O filme é tão assertivo no sentido de por em cheque o ser humano que carece de horas para digeri-lo. Mas voltemos ao filme já digerido, pois bem é importante salientar algumas peculiaridades em que esse suposto inocente homem ficou preso por vinte anos. 

   Durante esse período ele era alimentado por uma única comida: a chinesa. E também era servido vodka ao cara , de modo que este que já gostava de tomar uma birita antes de ser preso, agora no quarto-prisão acaba por sucumbir de vez ao alcoolismo. Mas vinte anos não é pouca coisa: são vinte anos oras! Nesse período de enclausuramento forçado e o preso sem saber o motivo disso, ele nos primeiros dez anos enlouquece de vez, entretanto nos últimos dez anos consegue se curar de sua insanidade e também do alcoolismo através de exercícios físicos que assistia pela televisão. Analisem bem: através da TV ele sabia de tudo que acontecia no mundo, só não sabia o porque tinha sido colocado em cativeiro. 

   Quando ele é solto, mas uma vez friso: após vinte longos anos, o homem quer saber quem fez isso com ele e vai atrás de vingança. Atitude esta de certa forma normal após assistir ao assassinato de sua mulher e ser o principal suspeito do crime, caso este nunca desvendado por ninguém o ter achado durante esse tempo. As pistas vão surgindo conforme as lembranças que ele teve no cativeiro.

    Primeiro ele foi achar o cheiro da comida chinesa que era comprada em determinado restaurante gastronômico. De tanto provar todos os restaurantes da cidade o homem, com o paladar afiado, consegue descobrir qual restaurante fez aquela porcaria para ele comer durante duas décadas. 

  Através de muita violência uma coisa ou pessoa foi ligando a outras coisas e pessoas e não demora muito para que o nosso protagonista descobrisse quem era que tinha o prendido e acabado com a sua vida. Tratava-se de um colega de ginásio que fizera tudo o que fez por um único motivo: a honra da sua família. 

  O homem preso tinha presenciado ainda na adolescência uma cena de sexo entre o pai e a irmã desse psicopata que o prendeu, descobrindo o segredo podre da família que era o pai ter relações sexuais com a filha desse cara. Por causa disso o pai mata todo mundo e se mata, só restando esse único filho que tomou um tiro no peito, e teimosamente, não morre.

   Com vida e a fortuna que o pai deixou para ele a única coisa que o menino órfão tinha em mente era vingança, e esta se faz com a prisão do publicitário, que até então, estava “há ver navios”. O publicitário é solto justamente para descobrir essa história toda e saber que ele tinha sido o principal culpado pela tragédia da família e da vida desse psicopata. Entretanto durante a saga do publicitário para vingar-se e descobrir quem fizera aquilo com ele aparece na trama uma enfermeira que tenta ajudar limpando suas feridas após as batalhas que o cara encarava todos os dias para procurar pistas do seu “inimigo-môr”.

   O “trunfo môr” do diretor Spike Lee, apesar do filme ser um remake, então poderíamos deduzir que o “trunfo môr” é do roteirista original, mas isso não importa muito por agora. O que importa é que o êxito do filme é de colocar essa personagem de enfermeira, que supostamente ajudaria o nosso vingador a chegar ao chefão, como a sua filha legítima sem ambos saberem e até rolar sexo entre eles, fato e cena esta igual ao do pai do psicopata fazendo sexo com a sua filha. 

  Depois de descobrir que nosso protagonista tinha feito sexo com sua própria filha que tinha visto só pequena e tinha se tornado lúcido no cativeiro só e exclucivamente porquausa dela, ele não aguenta tamanho maquiavélico plano do seu inimigo e dessa vez não aguenta e enlouquece de vez, mas antes mata seu maluco colega de escola psicopata. Apesar de ser um filme de ação, o seu roteiro é genial. Tudo é muito bem engendrado: os personagens, as histórias, os cenários e por fim as lutas. Sem dúvidas o melhor filme do ano e muito melhor que a maioria dos jogos da copa. 
                          *********************

Algumas horas de Primavera ( Quelques heures de Printemps ), de Stéphane Brizé, com Vicent Lindon, França, 2012. Se escrevesse que se trata de um filme fácil de assistir, logicamente estaria mentindo. Como o propósito não é esse ( de mentir ) quem estiver disposto a assistir ao filme sugiro antes que prepare seu estômago porque tal filme bate lá naquele lugar quando você sente algum desconforto, é exatamente lá que grita primeiro, ou seja, nas suas entranhas. 

O enredo começa com um protagonista que acaba de sair da prisão por colocar em seu caminhão coisas ilícitas, este sendo pego pela polícia entre uma viagem e outra. Após algum período enjaulado e já com uma idade avançada o homem tenta refazer sua vida, entretanto seu currículo de ex-presidiário não permite abrir muitas portas de mercado de trabalho. Por falta de trabalho o nosso protanista poderia muito bem voltar ao ramo das drogas, entretanto este não faz esta escolhe.

 O homem ainda assim tenta em vão reconseguir sua vaga de caminhoneiro, porém sem sucesso. Nosso protagonista sem outra opção aceita um subemprego colhendo lixo para reciclagem em uma indústria que só empregava imigrantes sem visto para ficar na França ou negros do subúrbio de Paris com baixa renda e discriminados por sua cor e pela sua religião, qu era a muçulmana. 

  Com o dinheiro que ganhava do seu novo trabalho o homem não tem alternativa há não ser em morar com sua mãe. A relação dos dois nunca fora boa e quando seu filho é preso e depois volta, aí que desmorona de veze casa vira um "inferno de Dante". Isso é sentido em cada cena, em cada conversa ou em cada falta de conversa que o filho, um ex-presidiário de 48 anos, não tem com a sua mãe idosa.A relação de ambos é tão ríspido que em certos momentos dá afliçãode tanta tensão no ar da casa. 

  O caminhoneiro acaba conhecendo uma namorada, ficam juntos até, mas o que se
atenua e acentua o filme como um todo é sem dúvidas a relação desse filho sem futuro com a sua ranzinza e rancorosa mãe já em idade avançada. O orgulho de ambos faz com que o clima na casa se torne insuportável,ao ponto de causar insônia ao filho, com este só conseguindo dormir a base de tranquilizantes, e um agravamento contínuo de uma doença que a mãe já tinha antes do filho aparecer, e escondia este fato dele.

   A doença da mãe era terminal, de modo que quando ela soube de um tratamento de eutanásia na Dinamarca via rádio, não teve dúvida e se prontificou a inscrever-se para dar cabo aquele tormento que era sua vida, e ainda agravando o seu estado tinha em casa um filho não querido que só lembrava coisas ruins do seu pai ou do esposo que a traía e já falecido, lembranças péssimas, por sinal. Em suam trata-se de um filme duro no tocante em mostrar as relações humanas de uma maneira geral e mais especificamente mostrar como as famílias se comportam com suas diferenças na atualidade; Todavia é importante salientar que apesar do filme ser edificante e ao mesmo tempo angustiante, este nos permite refletir as coisas importantes como: Vida, morte, solidão, paixão, religião e amizade, e por isso é mais um bom filme da escola francesa comteporânea. 
                                               ******

Godzilla, dirigido por Gareth Edwards, EUA, 2014. O pior inimigo do homem é ele próprio. Esta frase poderia resumir o blokboster, entretanto se deixarmos somente a resenha com esta frase correrei o risco ao ser indagado se de fato assisti tal filme. 

Para não correr esse perigoso risco resumirei mais um besteirol da terra do tio Sam. Há de frisar que a crise em Hollywood é tamanha que nem blockboster eles conseguem mais fazer atualmente. Em geral as grandes produções norte-americanas são adaptações de obras literárias “ blokbosters” ou remakes de filmes de sucesso de bilheteria. 

Godizila trata-se desse segundo grupo; Os dos remakes. O Godizila original é de origem sul coreana e da década de sessenta do século passado, mas vamos ao remake ou ao que o remake se propôs a destruir do original ou o que sobrou de bom dele. O filme começa de cara com uma descoberta de uma ossada de um dinossauro gigantesco na América do Sul em 1970. 

Com os estudos das ossadas percebe que trata-se de um autêntico Godizila: Uma besta aquática feita em laboratório por erro cientifico do próprio homem, e não um dinossauro como tinham imaginado. Em 2014 no Japão, após um acidente radioativo numa usina nuclear uma cidade interiorana japonesa é destruída pelo acidente e seus moradores que lá habitavam e trabalhavam na usina não tiveram como escapar da morte em prol de parar o suposto veneno radioativo, fechando todas as portas da usina e todos morrendo mais ou menos como os judeus morreram na época nazista, ou seja, como câmeras de gáses radiativos em prol daqueles gases não defastassem nosso planeta. 

A força do roterio do filme se configura neste acidente na usina do Japão. O principal cientista do experimento , um norte-americano, vê sua esposa morrer pela “câmera de gás radioativa”, sendo que este mesmo cientista toma a decisão de trancar a porta da usina e salvar o planeta, porém estragar sua vida e "pirar" por perder a pessoa que mais amava: a sua mulher. 

O casal tivera um filho que vê esses fatos aos seis anos de idade e para salvar sua sanidade faz justamente o contrário que o pai fazia: virou soldado do exercito norte-americano como desarmador de bombas ou ogivas nucleares, e não criador de bombas de longo e forte alcance como era o seu pai. O filho tenta tocar sua vida agora com esposa e filho pequeno, porém as memórias do passado e a situação mental insana do seu pai não permite que ele saia dessa história tão fácil assim. 

O ponto de fusão para que o filho volte a falar com o pai acontece quando as afirmações do seu pai tem êxito quando, do nada, um novo godzila surge do mar para detonar o planeta Terra e seus habitantes. Agora com a perspectiva mudada da opinião do filho sobre o pai, ou seja, que não se tratava de um lunático, mas sim de um gênio incompreendido durante décadas, o filho compra a historia do pai. 
O cientista tinha uma teoria que ninguém acreditava que era que a tal besta sempre tinha existido, porém por milhares de anos esta ficou “ hibernada” em mares profundos. Porquausa do acidente no Japão o Godzila desperta. durante esse período que o cientista estva louco, ele ficou estudando a tal besta mosntruosa e descobre que o Godzila se alimentava de pólvora em grandes quantidades, ou seja, de bombas ou ogivas nucleares. E ainda mais tinha descobreto que existiam duas bestas e não uma como o mundo viu e acreditou. 

Com duas Godzilas, uma de cada sexo, e se alimentando com bombas nucleares, eles se reproduziriam rapidamente e aí não teria exercito que desse conta deles e nosso planeta iria ao "beléléu" ( assim como está indo, mas isso já é outra história e por outros fatores que não vale serem exposto aqui). Mas dm suma o que vemos é um filme bem feito no sentido de efeitos especiais, porém muito pouco produtivo em
roteiro. De qualquer maneira se escolherem o filme para ver, o divertimento será mais eficaz nos oculozinhos desconfortáveis de três dimensões.