ter?a-feira, 20 de agosto de 2019
Cultura

Arquiteto conta história de Salvador através da técnica do pontilhismo

Salvador em Preto e Branco traz curiosidades de diversas regiões da capital baiana e marca 60 anos do Museu de Arte Sacra
Andréa Castro , Salvador | 07/08/2019 às 13:31
Arquiteto conta história de Salvador através da técnica do pontilhismo
Foto: divulgação
Um retrato no mínimo inusitado da capital baiana, feito à mão com a caneta de bico de pena, por um apaixonado pelas paisagens e peculiaridades de Salvador. Esse é o resultado do livro do arquiteto e urbanista Isaías de Carvalho Santos Neto, Salvador em Preto e Branco, que será lançado no dia 8 de agosto, às 19h, durante um coquetel aberto ao público. As imagens farão parte também de uma exposição que marca os 60 anos do museu de Arte Sacra da Bahia. A mostra traz 65 desenhos de 11 localidades da cidade, feitos com a técnica do pontilhismo, e será exposta nas dependências do museu até o dia 09 de setembro.
Salvador em Preto e Branco, livro publicado pela Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA), traz as nuances de distintas paisagens de Salvador com textos de vários autores, que revelam curiosidades e informações pouco conhecidas sobre cada uma delas. “Quero contar uma história. Reproduzo fotografias antigas e cartões postais, mas suprimo alguns elementos, acrescento outros, é o meu olhar sobre o lugar”, revela Isaías de Carvalho. “Por outro lado, quero que a pessoa que veja as minhas imagens evoque o que quiser daquela paisagem”, ressalta o arquiteto e urbanista.
A obra divide a cidade em 11 categorias, adjetivando suas paisagens. A Paisagem Pioneira, por exemplo, mostra onde tudo começou, com destaque para o Porto da Barra; a Paisagem Construída traz a Igreja da Sé como protagonista, sendo a catedral da diocese e posteriormente da arquidiocese de Salvador; a Paisagem Profana se refere à Cidade Baixa, um lugar de encontros, onde chegavam e saíam as embarcações e marcada pela agitação social, prostituição, presença de bares e botecos; a Paisagem Escondida contempla a região do Dique do Tororó, muito admirada pelo autor, e que teve boa parte da sua área aterrada; já a Paisagem Ausente remete à noite soteropolitana, com ruas ocupadas apenas em grandes eventos populares, como carnaval e festas de largo.
A Praça Castro Alves, considerada praça matriz, integra a Paisagem Helênica, seria a ágora das decisões políticas; a Paisagem Herdeira traz a Ladeira e a Praia da Preguiça, onde os escravos passavam carregando sacos pesados com mercadorias de forma penosa, corroborando com a imagem preconceituosa de que os baianos seriam preguiçosos; já a Paisagem Umbilical se refere à Baía de Todos os Santos, por onde os portugueses chegaram, tendo o Forte de São Marcelo como Umbigo da Bahia; enquanto a Paisagem Visceral retrata a região de Patamares, na qual, mesmo depois da proibição do tráfico de negros, os escravos chegavam e o local ficou conhecido como Praia do Chega Negro; a Paisagem Fragmentada, que abrange a Avenida Otávio Mangabeira (orla) e Amaralina, que, apesar da paisagem contínua, possuem histórias muito distintas e peculiares; e por fim, a Paisagem Feudal, representada pelo Castelo Garcia D´Ávila, nos arredores da cidade.   

Museu de Arte Sacra

O lançamento do livro e da exposição Salvador em Preto e Branco marca também as comemorações de 60 anos do Museu de Arte Sacra da Bahia. O MAS encontra-se consolidado como um dos mais importantes museus no gênero nas Américas, não somente pela sua rara e preciosa coleção de Arte Sacra Cristã, mas também por possuir um dos mais destacados conjuntos arquitetônicos seiscentistas brasileiros. Instalado no antigo Convento de Santa Teresa, o museu foi inaugurado em 10 de agosto de 1959, pelo então Reitor da Universidade Federal da Bahia, Edgar Santos, nascendo como o primeiro museu universitário do estado, voltado não apenas à valorização patrimonial, mas à disseminação do conhecimento, através de cursos e pesquisas.

Sobre o autor

Nascido no bairro de Brotas, Isaias de Carvalho Santos Neto é arquiteto, graduado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde lecionou por 20 anos. É mestre em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA e doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (USP). Integrou, por cerca de dez anos, o quadro de docentes da Escola de Administração da UFBA.    

Serviço:

O quê - Lançamento do livro e da exposição Salvador em Preto e Branco

Quem – Autor arquiteto e urbanista Isaías de Carvalho Santos Neto

Quando – Coquetel de Lançamento em 8 de agosto, quinta-feira, das 19h às 23h

Visitação - 9 de agosto a 9 de setembro (de segunda a sexta, das 11h30 às 17h30)

Onde – Museu de Arte Sacra da Bahia (Rua do Sodré, nº 276, Dois de Julho, Centro)