quinta-feira, 25 de abril de 2019
Cultura

Com fila de admiradores, Boechat é velado em museu de São Paulo

"Meu marido que dizia que era ateu, era o que mais seguia o mandamento mais importante: o de amar ao próximo", disse a mulher do jornalista. (Com informações do Terra
Da Redação , Salvador | 12/02/2019 às 08:05
Velório de Boechat
Foto:
Mesmo com o avançar das horas, uma fila de fãs e admiradores foi tomando forma do lado de fora do Museu da Imagem e do Som (MIS), no Jardim Europa, na zona sul de São Paulo, para prestar a última homenagem a Ricardo Boechat. O corpo do jornalista, morto aos 66 anos, vítima de um acidente de helicóptero, só chegaria às 23h20, em um caixão fechado.

Às 6h10 da manhã desta terça-feira, 12, Veruska, mulher de Ricardo Boechat, chegou ao velório: "Meu marido que dizia que era ateu, era o que mais seguia o mandamento mais importante: o de amar ao próximo. Era um coração, uma pessoa sem luxo. Tudo o que conquistou era pensando em mim e nos filhos."

Por volta da meia-noite, o velório foi aberto ao público. "Não perdia um programa", comentou a diarista Marly Sudário, de 51 anos, fã que todos os dias o acompanhava na TV e no rádio. Para ela, é o humor de Boechat que vai guardar na memória. "Gostava da risada."

Entre os presentes, o clima era de consternação. Curiosos também faziam selfies e lives na entrada do MIS. O produtor de eventos e motorista de aplicativo Arnaldo de Freitas, de 34 anos, fez questão de cumprimentar a mulher de Boechat, Veruska Seibel Boechat, que ele só conhecia de ouvir o jornalista falar ao microfone. "Todo dia, às 7h30, o escutava no rádio. E sentia como se fosse da família", disse. "Ele sentia como a população. E eu gostava de como trazia para a conversa a família dele."

Com quase 50 anos de carreira como jornalista e uma coleção de prêmios no currículo, Boechat era atualmente apresentador do Jornal da Band e âncora da BandNews FM. "Era um grande jornalista e um amigo de infância. Era divertido, um humorista", comentou o jornalista Augusto Nunes. Os dois foram contemporâneos no "Estado" e conviveram diretamente. "Sempre foi muito generoso, ajudou tanta gente", disse.

Presidente do Grupo Bandeirantes de Comunicação, João Carlos Saad também compareceu ao velório. "Tinha uma graça e um jeito de fazer jornalismo que não vai ter outro", disse sobre Boechat.

Ao ser perguntado sobre as lições que o jornalista deixou, acrescentou: "Ensinou a ser duro sem perder a ironia e o humor. Quando apurar, vamos encontrar um fio condutor dessa tragédia (e as outras recentes)".

O diretor de jornalismo da Band, Fernando Mitre, disse que soube da morte durante a reunião de pauta da emissora. Àquela altura, já se sabia sobre a queda do helicóptero no Rodoanel, mas a identidade das vítimas era desconhecida. Ele demorou a acreditar. "Conversava com ele todos os dias durante 12 anos. Era uma pessoa espetacular", afirmou. "Perdemos o Boechat. Ontem estava conosco. Hoje não está mais."

Envolto em coroas de flores, o caixão foi posto em cima do palco de um auditório do MIS. Ao passar, fãs tocavam a madeira, faziam sinal de despedida com as mãos e alguns até tiravam foto. Veruska, com quem Boechat teve duas filhas, ficou sentada em uma cadeira nas primeiras fileiras. Mais cedo, havia comentado que o marido era o "ateu que mais praticava o bem" e disse que a ficha ainda não caiu. Também agradeceu o apoio e as homenagens.