ter?a-feira, 19 de mar?o de 2019
Cultura

Terrivelmente cristã! Estamos atentos ao Brasil, p Jolivaldo Freitas

Escritor e jornalista: Jolivaldo.freitas@yahoo.com.br
Jolivaldo Freitas , da redação em Salvador | 09/01/2019 às 12:04
Catedral de Zaragoza, Espanha, cidade que já foi infiel, romana, muculmana e cristã
Foto: Tasso Filho


“O Estado é laico, mas essa ministra é terrivelmente cristã”, quase que vociferou a ministra Damares Alves (aquela que não deixou o pobre menino Jesus comer goiaba no pé). Quem quiser que se prepara para viver um período de limbus, até que o mantra fique enjoado, de citações bíblicas, religiosas, dogmáticas vindas de políticos – muitos que têm até parte do com o Diabo – que irão se imiscuir na filosofia/religião do novo presidente e da sua trupe evangélica. Com certeza políticos, puxa-sacos, agregados e aderentes farão encontros de orações cerrado, no sertão, no litoral e no Palácio da Alvorada.

A ministra das Mulheres e Direitos Humanos chorou e se emocionou durante seu discurso de posse em que proferiu a frase quase que em tom ameaçador, do tipo “pode vir quente que estou fervendo, seus incréus. Seuas infiéis”. A ministra é xiita, a ministra tem se mostrado fundamentalista. E já colocou a culpa das críticas e achincalhes às suas “viagens” e suas diatribes na imprensa, achando que vem sendo perseguida por causa da sua fé. E assegurou que vai administrar com princípios cristã, o que contradiz sua “visão” de que o Estado é laico. E a ministra garantiu que vai lutar contra a doutrinação ideológica. Mas, qual? Contra a sua própria ideologia ou contra a do oponente?

Terrivelmente cristão foi o que levou o Ocidente contra o Oriente. Terrivelmente Cristão foi o que causou a dizimação da cultura pré-colombiana. O grande exemplo foi o advento das Cruzadas em que militares cristãos marcharam contra para o Oriente Médio, em nome de Cristo, em busca da Terra Santa e para subjugar os ímpios. 

Era preciso, na visão dos cruzados, colocar o oposto Maomé para correr, acabar com islamismo (religião surgida no século VII). Veja que no centro do embate estava a cidade de Jerusalém, local sagrado para as religiões envolvidas. O mesmo que vem ocorrendo hoje em que Israel quer mudar a sua capital e o presidente Jair Bolsonaro, dentro da sua concepção judaico-cristã já se meteu e apoia. Hoje Israel, e agora com o Brasil em seu entourage, procede uma espécie de neocruzada contra os muçulmanos. Algo terrivelmente cristão e perigoso.

O terrivelmente cristão gerou aberrações e sucumbiram sob a égide da Espanha e de Portugal as culturas e as religiões das nações tupi-guarani. Sofreram os incas e os maias, os astecas. Na América do Norte foi a imposição do protestantismo que aplainou a cultura original e os preceitos. A África sofreu com o catolicismo e hoje está invadida pelos evangélicos. 

O terrivelmente cristão gerou danos para a cultura da humanidade. Em seu livro "A Chegada das Trevas: Como os Cristãos Destruíram o Mundo Clássico", a escritora e jornalista inglesa Catherine Nixey relata a história da destruição pelo cristianismo do mundo clássico na Grécia Antiga e no Império Romano. Portanto, pare e pense que o termo “terrivelmente” pode ser uma conotação (figurado, subjetivo, muito além do seu significado literal) ou mesmo uma denotação (referencia, remetendo a vários sentidos e ideias).

 ”Terrivelmente” é terrível se for literal. É hora de todos os santos e a Santíssima Trindade ficarem em alerta e protejam o Brasil. Estejamos atentos e fortes. Precisamos neste momento de mens sana in corpore sano. 

E logo em seguida ao “terrivelmente” veio sua alegria incontrolável vaticinando que agora menino usa azul e menina usa rosa. E vieram os memes, em que um se destacava observando que tem adulto que preciosa vestir camisa-de-força.