segunda-feira, 16 de julho de 2018
Cultura

SALVADOR 469 ANOS: Ordem de São Bento foi a 3ª instalada em 1581 (TF)

Veja as Ordens Religiosas que se estabeleceram em Salvador até o século XVIII e os conventos e hospícios
Tasso Franco , da redação em Salvador | 02/04/2018 às 13:26
Basílica de São Sebastião no Mosteiro de São bento
Foto: BJÁ
   A frota de navios de Pedro Álvares Cabral com destino às Indias Ocidentais foi levada pelos ventos do Atlântico Sul e achou o Brasil em abril de 1500. Traziam nas velas os símbolos da cruz da Ordem Templária simbolizando a fé no Cristo, na aliança da Igreja Católica com o poder expansionista do império português nessa época comandado por dom Manuel, o qual, de tão católico era chamado de rei "Venturoso". 

   Quarenta e nove anos depois desse espisódio, na segunda e definitiva colonização do Brasil com a construção da cidade fortaleza do Salvador, em 1549, as naus comandadas por Thomé de Souza também ostentavam essas cruzes e nesta frota instalou-se na Bahia a primeira Ordem Religiosa Católica, a Companhia de Jesus, 6 padres e irmãos sob o comando de Manoel da Nóbrega.

   Salvador nasce, portanto, sob a bandeira do catolicismo diferente do que aconteceu em parte do Canadá e nos Estados Unidos, mas à semelhança de todos os outros locais da América Espanhola, com o fervor católico. Nos países colonizados pela Espanha, sem as cruzes que simbolizavam o Império Português, porém, com forte presença dos domicanos. 

   A companhia de Jesus estabeleceu-se também no Espírito Santo, Rio, São Vicente e fundou as bases de SP, em Piratininga, com uma capela ao apóstolo Paulo.

   Na Bahia foi pioneira na instalação de um colégio de ensino fundamental e superior, em teologia, e realizou uma das primeiras procissões que se tem noticia no país, em 13 de junho de 1549, a de Corpus Christi. O primeiroi bispo que chegou a capital baiana, em 1552, dom Pedro Fernandez Sardinha era jesuita e fora professor de Ignácio de Loyola, em Paris.

   Narra José Antonio Caldas, em "Notícia Geral desta Capitania da Bahia", 1759,  que "na igreja do colégio (Sé) assistem atualmente 141 e mais religiosos; nas aldeias e frazendas, 34; na Casa do Noviciado, que se erigiu em 1724, 40 religiosos; no Seminário de Belém (fundado em 1688) 8 religiosos além de 80 ou mais seminaristas; no Seminário de NS da Conceição sito na rua do Maciel, atualmente estão 8 religiosos, fundado em 1759; na Quinta 4 e por todos religiosos que existem nesta Capitania pouco mais ou menos são 200".

   A segunda Ordem que chegou em Salvador foi a dos Carmelitas religosos de Nossa Senhora do Monte do Carmo que fundaram a casa em 1580 sendo seu provincial padre frei Domingos Freire. De acordo com o relato de José Antonio Caldas  a casa ficava na parte Norte da cidade e tinha vários hospícios. "Em Sergipe Del Rei, 32 religiosos; na Vila de Cachoeira, 25; no Rio Real, 8. No Hospício do Pilar nesta cidade, 6 e 16 em vários engenhos e fazendas perfazendo um total de 183 religiosos pouco mais ou menos, administrando 3 aldeias ou missões.

   No ano de 1581 foi fundada na Capitania da Bahia a casa dos monges da Ordem de São Bento dirigida pelo prelado frei Antonio Ventura Dilatarão. No século XVIII segundo relato de José Caldas tinham um "mosteiro fundado num sitio eminente ao Sul da Cidade e tem 70 monges, 8 fazendas, e mais 10 no mosteiro de NS de Brotas e 5 no mosteiro de NS da Graça, e assim tem esta capitania 94 monges pouco mais ou menos".

   Anota Caldas: "No ano de 1594 vieram a fundar casa nesta capital os religiosos Capuchos do gloriozo português Santo Antonio de Pádua sendo prelado frei Belchior de Santa Catarina, com principal casa a Igreja de São Francisco sita no Terreiro de Jesus". 

   Caldas narra que este convento tinha 45 religiosos com os que estão na Igreja de NS da Boa Viagem; na Vila de São Francisco, 20; em Paraguaçu, 20; em Cairu, 10; Em Sergipe Del Rey 12; no Rio de São Francisco 12; e nas aldeias, 6, num total de 125 religiosos.

   Em 1665 foi inaugurada a casa das religiosas Madre Santa Tereza de Jesus sendo o primeiro reverendo o prior frei José do Espírito Santo, localizado na Preguiça; Em 1679 teve inicio a fundação dos Capuchinhos de Nossa Senhora da Piedade pelos italianos, à frente os freis João Romano e Thomaz de Souza e fundaram uma igreja e um convento que assistiram durante 20 anos; em 1623, os religiosos descalços de Santo Agostinho se instalaram na Palma sendo fundadores padre frei Alípio da Purificação e frei João das Neves; em 1756, começou a se fundar a Congregação de São Felipe Neri, no sitio da Preguiça, sendo fundador Manoel da Fonseca.

   Outros conventos citados José Antonio Caldas, no século XVIII, foram os das religiosas de Santa Clara, 1677, no Desterro; o convento de Nossa Senhora da Conceição da Lapa, de 1744; Convento de Nossa Senhora da Soledade fundado pelo padre missionário jesuita Gabriel Malagril, casa professa das irmãs Ursulinas; no ano de 1745, ergueu-se o Convento de Nossa Senhora das Mercês, das religiosas ursulinas; no ano de 1729, o Recolhimento das Beatas da Ordem Franciscana.

   Depoimento de Caldas: "Em toda cidade e sua capitania se acham 300 igrejas - entre capelas, freguesias, oratórios, ermidas e conventos com mais de 2000 operários sacerdotes de missa e clérigos em ordens Sacras e Menores e Adidos da Igreja".

   No século XVII havia também na cidade três ordens Terceiras a saber: de NS do Monte do Carmo com 200 terceiros; a de São Francisco com 250 e a de São Domingos com 159; e há muitas irmandades, entre as quais, a de São Pedro dos Clérigos, a mais suntuosa.