segunda-feira, 25 de junho de 2018
Cultura

Morre aos 91 anos o estilista Givenchy que era simbolo da elegência

O estilista que desenhou o vestido de Audrey Hepburn no filme "Bonequinha de Luxo"
Nara Franco , Salvador | 12/03/2018 às 17:04
Givenchy começou em Paris
Foto: DIV
O estilista Hubert de Givenchy, que dominou a indústria da moda por mais de três décadas morreu aos 91 anos na noite de sábado, mas seu anúncio só foi feito nesta segunda-feria pela maison Givenchy, que agora é propriedade do grupo francês de bens de luxo LVMH.

“Monsieur De Givenchy morreu enquanto dormia no sábado, 10 de março de 2018. Seus sobrinhos e sobrinhas compartilham a dor. O funeral será realizado na mais estrita intimidade”, afirma o comunicado da maison, assinado pela família do estilista.

Givenchy se tornou sinônimo de elegância e glamour despretensioso. É dele o vestido preto que Audrey Hepburn usou no filme Bonequinha de Luxo. A atriz teve papel fundamental na obra do estilista, que desenhou vários modelos usados por ela no filme Sabrina (1954). Em 1957, Audrey também foi garota-propaganda do primeiro perfume de Givenchy, L’interdit.

Givenchy fundou uma das mais importantes marcas de moda do mundo em Paris na década de 1950 e depois tentou a sorte em Nova York, construindo um império comercial que se tornou parte do grupo LVMH quando foi vendido no final da década de 1980.

O estilista nasceu em 1927 em Beauvais, no oeste da França, e se mudou para Paris aos 17 anos para se dedicar à sua paixão. Sua família — seu pai foi o marquês de Givenchy — esperava que ele se tornasse advogado, mas o jovem de 1,96 metro foi atraído pela moda e pelo desenho muito jovem. Começou trabalhando para Jacques Fath e depois para Robert Piguet e Lucien Lelong, antes ir para a grife de Elsa Schiaparelli, onde rapidamente se transformou em diretor artístico até criar a marca Givenchy, em 1952.

Seu interesse em tecidos se originou de uma familiaridade precoce com peças finas na casa de seu avô materno, um administrador da tapeçaria Beauvais e Gobelin e colecionador de tecidos de qualidade. O pai do estilista morreu quando Hubert, nascido em Beauvais, ao norte de Paris, tinha 2 anos de idade. Ele e seus irmãos foram criados pela mãe e os avôs maternos. Inicialmente o jovem Givenchy estudou Direito, mas se contagiou pelo clima de liberação pós-Segunda Guerra Mundial e entrou na Escola de Belas Artes da capital francesa.

Fascinado pelo espanhol Cristóbal Balenciaga, à época o decano dos estilistas parisienses, Givenchy se apresentou com seu livro de desenhos à porta de Balenciaga, onde foi dispensando com um brusco “o senhor Balenciaga não recebe ninguém”.

Givenchy foi aprendiz de outros designers — Jacques Fath, Robert Piguet e a exuberante e iconoclasta Elsa Schiaparelli — antes de se aventurar como criador.

Após sua estreia fenomenal, Givenchy foi a Nova York capitalizar sua popularidade com os norte-americanos. Foi lá que ele finalmente conheceu o recluso Balenciaga, e os dois mantiveram uma amizade estreita até a morte do espanhol em 1972.