segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Brasil, o país do espetáculo politico

Noel Tavares
14/04/2016 às 10:53
O Brasil vive um momento muito delicado porque mesmo
com tanta informação, ainda tem gente confusa com as discussões em Brasília.  A capital federal virou um palco com estrategistas se equilibrando na alça do contra ou a favor do Impedimento da
presidente Dilma Roussef. Com isso, o tempo passa e a cada minuto vem uma nova onda
com informações diversas sobre as discussões que envolvem os políticos na
Câmara dos Deputadas e aterrorizam a população, dentro e fora do país. Esse
terror também atinge o Palácio do Planalto por que o poder ninguém quer largar.

Toda essa celeuma do sai ou fica Dilma, afeta
diretamente a vida do brasileiro que tenta se equilibrar através de manobras
radicais para sobreviver diante de uma inflação desnorteada e com uma crise impiedosa.
De acordo a publicação de uma revista com circulação nacional, em março de
2016, o Brasil tinha 60 milhões de pessoas com contas em atraso, contra os 57,9
milhões de dezembro de 2015. Esse dado aponta ainda que 41% das pessoas com
mais de 18 anos no país estão com o nome negativado para novas compras. 

Já estamos no mês de abril e nem os economistas
enxergam a diminuição desses números porque os jurus continuam altos e o
desemprego em fase crescente. Na Bahia, de acordo com o levantamento do Serasa
Experian, o número de inadimplentes continua alto: 9,21% em janeiro, se
comparado com o mesmo mês de 2015. E os economistas dizem ainda que os
devedores devem seguir três dicas simples: se organizar, guardar dinheiro para
quitar seus compromissos e não fazer novas dívidas. 

Observando os números da economia brasileira é fácil
perceber que o endividamento da nossa sociedade e a volta do crescimento do
país, estão relacionados diretamente aos acontecimentos na capital federal. Ligar
a TV, ouvir o rádio e acessar a internet são apenas algumas das alternativas
para receber as informações sobre os fatos ocorridos em Brasília e seria muito
bom se essas discussões acontecessem, acima de tudo, para promover benefícios
ao povo brasileiro. Assim, as notícias seriam mais agradáveis. Mas nesse
palanque, infelizmente, só observo pessoas discutindo mudanças para continuar, tomar
ou retomar o poder. 


Nós estamos em um ano eleitoral e até o pleito muita
coisa vai rolar com promessas de virada ou de revirada de mesas: são vazamentos
de informações confidenciais; prisões; discursos de quem ainda não assumiu o
cargo tão desejado; impedimentos; apadrinhamentos e manifestações do povo. E é
esse povo que deve ficar atento para não ser usado como massa de manobra.
Domingo é o grande dia e todos precisam ficar atentos ao espetáculo de Brasília.

Noel Tavares é jornalista graduado e pós-graduado pela
Faculdade 2 de Julho.