quarta-feira, 26 de junho de 2019

SALVADOR 467 ANOS: A influência da dinastia filipina na cidade

Tasso Franco
08/04/2016 às 13:52
SALVADOR comemorou em 29 de março último, 465 anos de sua fundação pelos portugueses como cidade fortaleza sede do governo Geral do Brasil. Os outros 49 anos da história (a Baía de Todos os Santos foi descoberta em 1º de novembro de 1501) foram engolidos e pouco se fala deles. Paciência. A Bahia é assim mesmo. Adora pesquisar pouco sua história, desvalorizar sua origem.

   Outro aspecto que gostaria de comentar sobre esta data, também pouco estudado em Salvador, é o período da ocupação espanhola que vai de 1580 a 1640 quando houve uma união dinástica entre as monarquias de Portugal e da Espanha após a Guerra da Sucessão Portuguesa, o que resultou na dominação espanhola - a chamada dinastia Felipina - a partir de Felipe II.

   É um período em que a capital baiana sofre influência da Espanha e constrói-se, no governo de Francisco de Souza (1591/1602), nomeado por Felipe II porque este rei era afeiçoado ao Conde do Prado, seu pai, um pequeno forte e a capela de Nossa Senhora do Monteserrat, padroeira da Catalunha, à semelhança do que existe na montanha da Espanha onde há um mosteiro beneditino em louvor a Virgem Maria que data do ano 1000. Hoje, o forte leva o nome de S. Felipe.

    A União Ibérica, apesar de preservar os aspectos fundamentais da colonização no Brasil, os governadores continuaram sendo portugueses e a lingua predominante era o português (e não o espanhol), inclusive nos documentos oficiais, as nações inimigas da Espanha passaram a invadir os espaços coloniais lusitanos no Brasil e na África, como uma forma de prejudicar Felipe II.

   A capela do Monteserrat vai entrar definitivamente na históira do Brasil no governo de Afonso Furtado Castro do Rio Mendonça (1671/1675) porque este governador teve uma erisipela numa das pernas e, sendo devoto de NS do Monteserrat fazia romarias à igreja com devoções a santa pedindo a sua cura. Os médicos aplicaram ventosas no seu corpo tentando curar a doença (não havia penicilina), porém o governador faleceu.

   Foi o primeiro governador geral a morrer no Brasil - sepultado na Sé - sem tomar nenhuma providência para a sua sucessão. Esperava sobrevier, por milagre, da doença que o atormentou durante dois anos, mas a febre alta provocada pela infecção o matou. 

   Formou-se, então, uma junta provisória de governo constituida por Agostinho de Azevedo Monteiro, chanceler do Real Tribunal de Justiça; Álvaro de Azevedo, mestre de campo general; e Antonio Guedes de Brito, rico criador de gado e mais velho vereador da Câmara - os dois últimos nascidos na Bahia - para governar o Brasil.

   O novo governador geral, Roque da Costa Barrêto, só chegou em Salvador em março de 1678.

   Na época da dinastia filipina (felipina), ingleses, franceses e holandeses tentaram invadir o Brasil.  As invasões holandesas foram preponderantes em Salvador e Recife, em 1624 e 1630, para dominação das cidades e das atividades econômicas açucareiras. 

   A ocupação de Salvador, capital do reino, foi considerado um dos maiores eventos mundiais da primeira metade do século XVII. Na Bahia demorou pouco tempo graças ao poderio da esquadra espanhola comandada por dom Fradique de Todelo Osório.
 
   Durante o reinado de Felipe IV, e concretamente a partir de 1640, houve várias sucessões e revoltas dos distintos territórios que se encontravam abaixo do poder do rei. Entre elas, a guerra da Restauração de Portugal, a rebelião da Catalunha (ambos os conflitos que tiveram início em 1640), a conspiração de Andalúcia (1641) e os distintos incidentes acontecidos em Navarra, Nápoles e Sicília no final da década de 1640. 

   Além dessas, também somavam-se as distintas batalhas ocorridas extra peninsular: a guerra dos Países Baixos (renovada em 1621 após a Trégua dos Doze Anos expirar-se) e a guerra dos Trinta Anos. Desta última vez (desde 1635), o confronto com a França estava conectado com o problema catalão.

   Portugal havia se rebelado em 1640 sob a liderança de João de Bragança, proclamado rei. Este havia recebido um apoio geral da cidade portuguesa e os espanhóis que possuíam várias frentes abertas foram incapazes de responder.

    Espanhóis e portugueses mantiveram um estado de paz de fato entre 1641 e 1657. Quando João IV morreu, os espanhóis inventaram de lutar por Portugal contra seu filho Afonso VI de Portugal, por quem foram derrotados na batalha de Ameixial (1663) e na batalha de Montes Claros (1665), o que levou a Espanha a reconhecer a independência portuguesa em 1668.

      Portanto, ao fim dos conflitos, a dinastia dos Braganças, iniciada com Dom João IV passou a controlar Portugal e o Brasil.

    No governo geral do Brasil, com dom Pedro Antonio de Noronha, marquês de Angeja, terceiro vice-rei do Brasil (1714-1718) familias ciganas degredadas chegaram a Salvador. Foram morar no bairro da Palma, Freguesia de Sant'ana, que por isso ficou chamado de Bairro da Mouraria, dos mouros, ciganos - influência da ocupação árabe na Peninsula Ibérica que se iniciou em 711 dC (durou 700 anos em várias áreas). 

   Posteriormente, uma parte desse grupo foi residir (diante de tanta gente) na Freguesia de santo Antonio Além do Carmo. 

   No governo de Vasco Fernandes de César Meneses, conde de Sabugosa (vice rei de 1720 a 1735 - esse merece um livro) foi erguida a capela de Santo Antonio da Mouraria, o santo recebendo o título de alferes de infantaria.

   É a fantática história de Salvador pouco conhecida da maioria dos baianos. 

   A inflência da Espanha nesse periodo de dominação só não foi maior no Brasil, especialmente em Salvador, porque não foram adotados o espanhol como língua e seus costumes e artes, na literatura, na arquitetura e assim por diante. Daí que em Salvador predominam o barroco português e não há - salvo exceções - residências com balcões e corinjas árabes-espanholas.